PUBLICIDADE
Topo

MMA


Amanda Nunes suspeita já ter contraído Covid-19: "Nunca fiquei tão mal"

Josh Hedges/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images
Imagem: Josh Hedges/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

04/06/2020 17h02

Amanda Nunes se prepara para colocar o cinturão dos penas em jogo neste sábado (6), contra Felicia Spencer, em Las Vegas (EUA. Originalmente, o duelo aconteceria em São Paulo, no dia 5 de maio, mas acabou adiado por causa da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19).

A brasileira disse ter ficado com receio de lutar durante a pandemia e suspeita já ter contraído o vírus. Amanda revelou ao "Combate" suas dúvidas sobre os sintomas que teve e, em entrevista coletiva organizada pelo UFC hoje (4), deu mais detalhes.

"Eu comecei a me sentir mal logo depois de uma convenção que participei aqui em Las Vegas. Estava no começo da pandemia ainda. Quando cheguei em casa, comecei a me sentir mal mesmo. Nunca senti isso na minha vida. Foi a primeira vez que fiquei mal, de cama, por dois, três dias mais ou menos", explicou.

Amanda, no entanto, permaneceu em casa e não fez o exame para saber se realmente havia contraído o novo Coronavírus (Covid-19). Ela deve ter a resposta nesta semana, com os testes obrigatórios feitos pelo UFC nos lutadores que participarão do card do UFC 250.

Além de Amanda, a também lutadora do UFC e esposa dela, Nina Ansaroff, contraiu os sintomas. Por estar grávida, a norte-americana foi levada para o hospital, mas não chegou a realizar o exame de Covid-19.

"A gente levou a Nina para a emergência por causa da criança. Foi tudo tranquilo. Mas a gente não conseguiu fazer o teste, porque estava no início de tudo. Estava bem escasso o teste. Ela fez testes para tudo e não deu nada. Talvez se tivesse feito o teste para o Coronavírus, teria dado positivo. Mas deu tudo certo. Nina é forte para caramba e conseguiu se recuperar".

A situação fez com que Amanda ficasse com receio de lutar em plena pandemia. Ela diz, no entanto, que mudou de ideia quando acompanhou o UFC 249, primeiro evento da organização após a paralisação. Na ocasião, o card aconteceu em Jacksonville, na Flórida (EUA).

"Fiquei um pouco com o pé atrás, mas quando vi o primeiro UFC, como foi bem organizado, tudo certinho, aí decidi lutar".

MMA