PUBLICIDADE
Topo

Botafogo não joga a toalha por Gabriel, zagueiro do Atlético-MG

Gabriel domina a bola durante jogo do Botafogo no Nilton Santos - VITOR SILVA/SSPRESS/BOTAFOGO
Gabriel domina a bola durante jogo do Botafogo no Nilton Santos Imagem: VITOR SILVA/SSPRESS/BOTAFOGO

11/01/2020 07h00

O Botafogo teve uma baixa considerável na janela. Envolvido na negociação que levou Igor Rabello ao Atlético-MG em 2019, Gabriel havia sido emprestado ao Glorioso em forma de compensação por dois anos. O tamanho destaque do zagueiro no Rio de Janeiro, contudo, fez com que o Galo solicitasse o retorno antes do previsto. Não à toa, o defensor se reapresentou ao clube mineiro na última quarta-feira.

A equipe da Estrela Solitária tentou, desde o fim de novembro, alternativas para o retorno de Gabriel, mas a alta pedida do Atlético-MG impediu o avanço das conversas. O Galo, que não aceitou jogadores por empréstimo vindos do Botafogo, pediu 3 milhões de euros (R$ 13,5 milhões), valor fora da realidade do time carioca.

"Gostei muito que a maioria dos jogadores ficou. Infelizmente perdemos o Gabriel, gostaríamos que ele continuasse e ainda tenhamos esperança que ele venha, mas o importante, e eu até falei em uma entrevista no ano passado, é que eu vivo a realidade do clube. A gente tem que entender o momento financeiro do clube, mas estou muito feliz com quem chegou para fortalecer o elenco esse ano", afirmou Alberto Valentim, em entrevista à "BotafogoTV".

A declaração do treinador é direta: o Botafogo ainda não desistiu de contar com Gabriel na temporada que está para começar. Por mais que a situação seja complicada e o Atlético-MG já tenha recusado propostas do Alvinegro pelo zagueiro, a vontade do atleta de 24 anos em retornar ao Rio de Janeiro podem pesar para um desfecho positivo aos cariocas.

Uma das prioridades do Botafogo é contar com Gabriel em 2020. No momento, as conversas estão congeladas e a prioridade da diretoria é regularizar os salários com jogadores e funcionários - os vencimentos de dezembro e a segunda parcela do 13º estão em aberto. A possível venda de jogadores, como Fernando e Alex Santana - no radar do futebol europeu -, e o desbloqueio da premiação do último Campeonato Brasileiro junto à Justiça podem agitar os cofres do Alvinegro.

Parte de Gabriel

O zagueiro se reapresentou, como havia sido ordenado, na Cidade do Galo, mas sua vontade ainda é de atuar pelo Botafogo em 2020. O tempo, portanto, pode ser um aliado do time da Estrela Solitária neste caso: se o Atlético-MG não conseguir uma alternativa junto ao defensor ou o Glorioso juntar algum tipo de dinheiro perto da pedida inicial dos mineiros, o negócio pode acontecer.

O fato é que Botafogo começará o Campeonato Carioca sem Gabriel - não à toa, o Alvinegro já definiu, por ora, 36 nomes que participarão da pré-temporada e dos primeiros compromissos de 2020. Se o zagueiro retornar, será com o Estadual já em andamento - ou até mesmo próximo do pontapé inicial do Campeonato Brasileiro.

"Ficou público que eu queria permanecer no Botafogo, né? Mas deixei bem claro para o Rui, que se fosse para voltar, eu voltaria feliz. Sem problema algum. É um clube que me abriu as portas e quem sou eu para recusar jogar no Galo. Eu não tenho esse poder, o Galo está acima de qualquer jogador, de todos", declarou Gabriel, em entrevista coletiva realizada pelo Atlético-MG.

É pouco provável que a vontade de Gabriel de retornar ao Botafogo pode ser algo essencial na negociação entre os clubes. É claro que a opinião do atleta importa, mas o Atlético-MG, dono de seus direitos federativos, é o "dono da bola" e, por isto, exige dinheiro para liberá-lo. Na temporada passada, o defensor realizou 52 partidas pelo Glorioso e marcou um gol.

Botafogo