PUBLICIDADE
Topo

Palmeiras

Abel evita empolgação com Palmeiras perto da ponta e pede troca de árbitro

Do UOL, em São Paulo

21/05/2022 22h04

Classificação e Jogos

Abel Ferreira evitou se empolgar com a recuperação do Palmeiras no início do Brasileirão. A vitória por 3 a 0 sobre o Juventude colocou a equipe provisoriamente na segunda colocação da competição, atrás apenas do Corinthians. Ainda assim, o treinador vê pouca importância nesse momento, em que apenas sete rodadas já foram disputadas.

"O importante é olhar para a tabela no final do ano, agora o importante é ganhar pontos. É uma maratona. Essa é uma questão que vamos pensar jogo a jogo", disse Abel, em entrevista coletiva depois da partida.

O treinador admitiu que o objetivo do Palmeiras é buscar o título, um dos que faltam a ele no comando do clube, mas citou Botafogo, Corinthians, São Paulo e Flamengo como exemplos de rivais que vão seguir na disputa pela taça.

"[O Botafogo] É uma equipe que ainda vai dar muito trabalho, vai brigar. Ainda não se assumiu [postulante ao título], mas vai andar ali, porque vai ter tempo para descansar, trabalhar e preparar o seu elenco. E depois tem as tradicionais: o São Paulo está muito bem, o Corinthians também está bem, o Flamengo nós sabemos que é uma equipe... quantos pontos estão de diferença? Seis pontos? É uma diferença que se recupera rapidamente nesse momento. É um gigante que a qualquer momento aparece ali também", prosseguiu.

"Nós temos que continuar fazendo o nosso caminho e ganhar jogos. Queremos somar pontos e ter, sobretudo, exibições consistentes em todos os momentos: atacando, defendendo, nas bolas paradas defensivas, ofensivas, nas transições de defesa ao ataque e ataque - defesa".

Durante a entrevista, Abel foi questionado sobre a atuação do árbitro Marcelo de Lima Henrique. O treinador levou um cartão amarelo ao chamá-lo de fraco depois de uma falta não marcada em Zé Rafael. A advertência fará com que o treinador tenha que cumprir suspensão no clássico contra o Santos, no próximo fim de semana.

Abel admitiu ter chamado Lima Henrique de fraco e pediu que o árbitro fosse trocado para dar oportunidade aos mais jovens.

"Não é a primeira vez que nos encontramos, mas não sei... não sei se é ele ou eu... com esse árbitro, especificamente, porque tem outros que nunca tive problema com nenhum. Os dois árbitros que vão à Copa do Mundo, eu nunca tive problema [Raphael Claus e Wilton Pereira Sampaio]. Com os bons árbitros eu nunca tive problema, eu tenho problema com esses árbitros que não são consistentes, em lances que são claros. Troquem. Não se troca de treinadores? Troquem, deem oportunidades a um novo. Se é para errar assim, deem oportunidade a um novo", disse.

Confira outras declarações de Abel Ferreira:

Quais seus planos para Naves, que estreou hoje?

A torcida quer ganhar, conheço o suficiente. Uma parte da torcida eu conheço bem, e eles querem ganhar. Se eu colocar os meninos da base e não ganharmos, como já foi com o Luxemburgo...

Eu olho com muito carinho. Os jogadores da base são extremamente importantes para o nosso trabalho... desde que chegamos trabalhamos muito com os meninos da base, fazemos muitos treinos, chamamos muitas vezes os meninos da base para treinar conosco. Hoje, por exemplo, tínhamos 10 aqui, se não me engano.

É uma coisa que faço em todos os clubes por onde passo, porque tenho que conhecê-los. E quando sinto que eles estão preparado para nos ajudar, vou colocá-los, mas vou colocá-los quando sentir que é o momento certo, não porque tem que ser assim ou assado. Temos que fazer as coisas de forma consistente.

Ele é um menino com muita qualidade, mas o que mais me surpreende nele é a maturidade e a seriedade com que ele treina. Para mim, isso é fundamental. É nos treinos que os jogadores passam confiança e recebem confiança do treinador. Quando é assim, é uma questão de tempo. Ele sabe que na posição de zagueiro a concorrência é forte, mas foi preciso, correspondeu e estamos contentes com isso.

O que mudou na defesa, que começou o Brasileiro mal?

Não mudou nada. Eles sabem muito bem que eu os conheço. Nós tivemos uma semana muito desgastante. Pelo que eu vi e pela análise que fizemos com o setor de perfomance, o problema não foi o cansaço físico, mas o cansaço mental. Aquela viagem nos foi muito custosa e vimos isso nas decisões dos jogadores.

Não foi porque eles não correram, porque eles correram como nunca. Mas a nossa cabeça é quem decide tudo e ela para decidir bem, tomar as melhores decisões, precisa estar fresca. E nesse jogo não aconteceu.

Como eu sei, como eu também senti, não dei bronca nenhuma. Falei com eles, compreendi, os entendi, mostrei que houve lances que eles não erram daquela maneira. Tinha alguma coisa ali que não estava certa e tinha a ver com o cansaço mental muito grande.

Eu sou muito equilibrado na minha vida e no esporte, portanto, nem agora por estarmos acima na tabela, ou por sermos a melhor defesa ou o melhor ataque, isso para mim são números. Eu gosto de olhar para os números, mas é um campeonato de pontos corridos e estamos no início. Ainda vamos perder muitos pontos.

Perder para nós não é nenhum drama. Sabemos que não há equipes sempre vencedoras. Portanto, temos que continuar com esse espírito, com essa união, com esse compromisso de fazer o esforço máximo para trabalhar para a equipe. Foi isso que vimos dos nossos jogadores, muitos solidários com as tarefas defensivas e as ofensivas, porque somos uma equipe que cria muito e hoje fez três.

Jogo contra o Juventude

Primeiro, disse aos meus jogadores que ficassem tranquilos, porque íamos jogar em um dos melhores gramados do Brasil. Para eu tentar explicar a importância que um gramado tem para a qualidade do jogo, eu comparo isso a andar em um carro de Fórmula 1 com os pneus de pista seca na chuva.

A CBF, que é uma das federações com mais poder econômico, tem que fazer disso uma lei. Tem que ter gramados assim [como o do Alfredo Jaconi]. Dou parabéns ao Juventude, ao seu presidente, às pessoas que tratam desse gramado, porque deveria ser obrigatório que todos os clubes tivessem gramados desse nível.

Se querem bons jogos, boas finalizações, bons cruzamentos, é preciso ter o gramado dessa maneira.

Acho que fomos uma equipe muito consistente com bola e sem bola e fomos justos vencedores. É um jogo de cada vez.

Eu disse mais de uma vez que esse campeonato e essa temporada seriam um mistério, uma experiência nova. Mas não é só de agora, estamos jogando assim há quase dois anos nesse ritmo. Vamos ver. Os jogadores têm correspondido, mas temos muitos jogadores lesionados também, essa é a verdade.

Não podemos esquecer disso, mas a equipe continua dando uma boa resposta de forma coletiva e é isso que nós queremos.

Eles sabem que todos são importantes, que todos somos um, mas individualmente ninguém faz falta. Mas eu preciso de eles todos. O que eu mais gosto é que eles entendem que o jogo de futebol é um jogo coletivo, que todos têm que pensar a mesma coisa ao mesmo tempo e eles entendem isso.

Na minha opinião, eles estão preparados para lutar por todas as competições. Se vamos ganhar, não sei, mas estamos preparados para lutar em todas as competições e contra todos os adversários, seja onde for e contra quem for. É isso que eu sinto.

Mais sobre a arbitragem

Foi uma falta clara, clara. Eu não tenho tido muita sorte com esse árbitro.

É muito fácil dar amarelo - e eu aceito o amarelo que ele me deu -, mas é uma falta clara que ele não marcou não sei o porquê. Depois, essa que eu fiquei mais... como que não dá amarelo na falta em cima do Rony? Fácil vir aqui e me dar amarelo. Ok, eu aceito, não deveria ter o chamado do que chamei, disse que ele era fraco, foi o que eu disse.

Aquela falta tem que marcar, porque era uma falta de transição, em um lance de perigo na lateral. Eu só fico puto porque não é consistente. Umas vezes marca faltas que não são, as claras para amarelo ele não dá.

Mas sobre a arbitragem eu já falei muito sobre isso. Eu senti o árbitro cansado, sempre longe das jogadas. Mas entendo, porque não são profissionais, viajam muito como nós.

Mas o meu amarelo é justo. Se ele ouviu o que eu disse ou o quarto árbitro o falou... ele disse que eu o chamei de fraco no lance e foi isso que eu disse.

Palmeiras