PUBLICIDADE
Topo

Seleção Brasileira

Como Danilo pode conquistar Tite em chance na seleção tão próxima à Copa

Danilo abriu o placar para o Palmeiras no jogo contra a Juazeirense, válido pela Copa do Brasil - Cesar Greco/Palmeiras
Danilo abriu o placar para o Palmeiras no jogo contra a Juazeirense, válido pela Copa do Brasil Imagem: Cesar Greco/Palmeiras

Igor Siqueira

Do UOL, no Rio de Janeiro

12/05/2022 04h00

Classificação e Jogos

Às vésperas de cada convocação, Tite cumpre um ritual com a comissão técnica da seleção brasileira: ele coloca todos em uma sala para ouvir quais seriam os jogadores convocados por cada um de seus auxiliares. O treinador, por vezes, baixa a cabeça e cobre o rosto com a mão para não "denunciar" o sentimento em relação aos nomes que ouve de cada um. Mas houve consenso para os amistosos de junho: a primeira oportunidade ao volante Danilo, do Palmeiras.

É uma chance ímpar para o jogador de 21 anos, sobretudo pensando no objetivo a curto prazo: estar na sua primeira Copa do Mundo. A essa altura da preparação, a comissão técnica não convoca os jogadores apenas por um mero teste. Estar na lista significa que, de fato, o escolhido em questão faz parte do que Tite entende ser o melhor para o momento da seleção.

Uma das principais revelações recentes do Palmeiras, Danilo terá tempo e palco relevantes para convencer o treinador de que tem, sim, condições de seguir na seleção de imediato — até porque Tite vai sair do cargo em dezembro. A CBF planeja duas semanas em uma agenda de treinos e amistosos contra Coreia do Sul, Japão e mais um adversário africano ainda indefinido, já que o jogo contra a Argentina foi cancelado.

Observando a lista, Danilo ocupa espaço que já foi recentemente de Arthur, da Juventus, Gerson, do Olympique de Marselha, e até de Douglas Luiz, do Aston Villa. A resposta imediata do palmeirense pós-convocação, na prática, foi um gol diante da Juazeirense, pela Copa do Brasil. Tite quer usar no meio-campo uma das vagas sobressalentes na Copa do Mundo — o limite pulou de 23 para 26 jogadores.

O período de observação por parte da comissão técnica não é recente. Tite e seus auxiliares viram jogos pela TV e in loco, fizeram visitas aos treinos do Palmeiras e compilaram dados. Em março, o técnico da seleção via Danilo como um jogador menos consolidado que Raphael Veiga, por exemplo, que até hoje não recebeu uma chance. Mas, se foi chamado, o volante precisará mostrar ainda mais.

"A gente faz uma observação em cima do tempo real dela. Passou mais de um mês. É uma função importante, que ele possa estar competindo e reconhecidamente com seu nível de performance alto", comentou o treinador, a respeito da mudança da visão sobre Danilo de dois meses para cá.

Tite, técnico da seleção brasileira, durante a convocação - Lucas Figueiredo/CBF - Lucas Figueiredo/CBF
Tite, técnico da seleção brasileira, durante a convocação em maio de 2022
Imagem: Lucas Figueiredo/CBF

Tite gosta de perceber como cada jogador reage quando entra no ambiente da seleção, qual efeito a camisa tem e qual o desempenho nos treinos, com jogadores que atuam nas principais ligas europeias. Danilo pode convencer o treinador a partir daí.

Nos primeiros treinos em Seul, a partir do dia 26, Danilo será o único primeiro volante de ofício à disposição. Casemiro e Fabinho, que inclusive é dúvida por conta de lesão muscular na coxa esquerda, estarão envolvidos com a final da Liga dos Campeões e só se apresentam no dia 31 - o jogo do Brasil com os coreanos é dia 2. Bruno Guimarães também pode atuar como primeiro homem do meio-campo, mas normalmente cumpre a função de segundo volante.

O momento da seleção, como um todo, é de consolidação do trabalho de saída de bola, transição no meio e controle no ataque. Sem a bola, Danilo precisa estar atento à marcação pressão, aos movimentos quando o time recua e ao momento - mais raro - em que o adversário está atacando e colocando a linha de defesa da seleção mais próxima ao próprio gol.

Tite citou até Phil Jackson, trazendo a frase que é um clichê: "O individual potencializa o coletivo e o coletivo eleva o individual". Ou seja, espera uma via de mão dupla com Danilo e outros jogadores que concorrem por espaço: que ele se encaixe bem na estrutura atual da seleção, que se mostra consolidada, e, ao mesmo tempo, acrescente ao modelo com suas valências executadas ao longo dos últimos dois anos no Palmeiras. E com destaque.

Seleção Brasileira