PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Mauro Cezar: Futebol está inserido em sociedade violenta e não passa imune

Do UOL, em São Paulo

24/01/2022 17h37

Classificação e Jogos

A invasão de gramado da Arena Barueri e uma faca arremessada no gramado durante a semifinal da Copa São Paulo entre São Paulo e Palmeiras assustou e teve grande repercussão em meio a um contexto de torcida única, com o futebol mais uma vez sendo palco de cenas de violência.

No podcast Posse de Bola #196, Mauro Cezar Pereira afirma que o futebol reflete a realidade vivida na sociedade brasileira, que é violenta e tem inúmeros episódios em outros segmentos além do esporte, ainda que considere grave o episódio do último sábado (22).

Ouça também o boletim do Posse com Arnaldo e Tironi; exclusivo na Apple Podcasts

"O futebol está inserido em uma sociedade onde você tem muita violência, onde você tem comportamentos dos mais diversos e condenáveis, evidentemente o futebol não vai passar imune a isso, as pessoas olham para o futebol como se fosse praticado na Suíça e nós vivêssemos no Brasil. Neste país já teve desequilibrado mental que entrou em cinema fuzilando pessoas aqui em São Paulo, teve louco que entrou na escola atirando em todo mundo no Rio de Janeiro", diz Mauro.

"É um país violento, de graves diferenças sociais. Muito mais escandaloso que um rapaz entrar com a faca é você perceber a parcela da população que está de novo mergulhando abaixo da linha da pobreza neste país, pessoas que estão de novo vivendo em condição de miséria, isso eu acho muito mais escandaloso. Se você tiver medo de ir a um estádio porque um débil mental entrou em campo e atirou uma faca, e a segurança é incompetente a ponto de permitir que o sujeito entre com a faca, então não vai sair de casa e dentro de casa vai rezar para ela não ser invadida, esse é o Brasil", completa.

Mauro afirma que no caso da Arena Barueri, como em outros casos, de nada adianta punir o clube ou uma torcida organizada, sem que os próprios responsáveis pela invasão de gramado, identificados, sejam punidos de forma exemplar, assim como quem lançou a faca no campo, caso também tenha a sua identificação.

"Claro que isso é absurdo, é revoltante, é gravíssimo, é evidente que esses dois têm que ser punidos severamente e o sujeito que arremessou a faca dificilmente será identificado. Não estou minimizando, é grave, mas faz parte de um contexto e nós nele estamos inseridos. Esse é o Brasil que a gente vive", diz Mauro.

"Quando é do futebol sempre tem um holofote maior. É grave, gravíssimo, não pode ficar assim e a punição tem que ser ao CPF. Daqui a pouco vão querer culpar a torcida organizada, aí você bota a culpa no CNPJ e o CPF fica impune, não adianta nada", completa.

O jornalista também cita que houve briga entre torcedores em Guaianases, na Zona Leste de São Paulo, local distante de onde ocorreu o jogo de sábado, e diz que a torcida única não funcionou em outros países e também não funciona no Brasil, apontando a necessidade de um trabalho de inteligência para evitar a violência ligada ao futebol.

"A torcida única é óbvio que é ineficiente, não funcionou em vários países e o mais grave nisso tudo é porque a torcida única significa que é mais fácil fazer a segurança assim, facilita o trabalho da polícia. A polícia está aí para ter o seu trabalho facilitado ou fazer corretamente o seu trabalho e como instituição que cria as condições para que as pessoas possam fazer coisas básicas como ir a um jogo de futebol do seu time no campo do adversário?", diz Mauro.

"O problema é bem mais complexo, aqui em São Paulo existe uma delegacia especializada em crimes ligados ao esporte e lá existem policiais que conhecem muito bem esse universo das torcidas e dos estádios, então o que você tem que investir é em inteligência policial, efetivos qualificados para fazer a segurança", conclui.

Posse de Bola: Quando e onde ouvir?

A gravação do Posse de Bola está marcada para segundas e sextas-feiras às 9h, sempre com transmissão ao vivo pela home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte nas redes sociais (YouTube, Facebook e Twitter).

A partir de meio-dia, o Posse de Bola estará disponível nos principais agregadores de podcasts. Você pode ouvir, por exemplo, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e Youtube --neste último, também em vídeo. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol