PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

Ceni exalta torcida do São Paulo e explica declaração da época do Flamengo

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

14/10/2021 22h19

Classificação e Jogos

O técnico Rogério Ceni tratou de amenizar a crise vivida com a torcida do São Paulo em seu retorno ao Morumbi. Em entrevista coletiva depois do empate por 1 a 1 com o Ceará, o comandante explicou a declaração que fez na época em que era treinador do Flamengo.

"A declaração que eu dei no Flamengo, que é uma grande instituição, um ótimo lugar para trabalhar, um clube que me propiciou ser campeão brasileiro, foi que no Rio de Janeiro é diferente de São Paulo. São Paulo a torcida é muito dividida entre os três grandes [Corinthians, Palmeiras e São Paulo]. No Rio de Janeiro, existem mais de 700 favelas e é praticamente uma ação social você vestir a camisa do Flamengo, isso faz parte daquela comunidade, você faz parte daquele grupo. Essa é a grande diferença", explicou Ceni.

No início do ano, Ceni deu uma declaração exaltando os flamenguistas e faz uma comparação com o São Paulo. "Eu trabalhei no São Paulo por tantos anos e é um clube de massa, de presença do torcedor. Mas aqui, assim, é uma atmosfera diferente. Ser Flamengo", disse.

A declaração incomodou a torcida do São Paulo, principalmente a organizada. Depois da demissão de Crespo, a Independente emitiu uma nota dizendo que esperava uma conversa com Ceni e um pedido de desculpa do treinador por causa da fala.

Em outra nota antes da partida de hoje, a Independente afirmou que não cantaria o nome do treinador nem dos jogadores. Sobre Ceni, a organizada disse que ele "sabe o que precisa fazer para se redimir".

"Acho que a minha relação com o São Paulo é eterna e eu respeito, pelo amor de deus... Se durante 25 anos deixei a minha vida aqui dentro e ainda pode haver pessoas descontentes, eu lamento. Se o torcedor gritar ou não, eu vou estar sempre próximo, sempre respeitando, porque foi o torcedor que me colocou aqui, que me sustentou esse tempo todo. Para mim é um prazer estar no clube que praticamente é a minha casa. Acho que não tem motivo nenhum para o torcedor... com o passar do tempo, com os resultados, São Paulo é minha casa. Tenho o maior carinho por todas organizadas", prosseguiu Ceni.

Confira outras declarações de Rogério Ceni:

São Paulo foi mais ofensivo hoje?

Acho que o São Paulo sempre é um time que tenta ser propositivo, nem sempre consegue. A gente tentou dentro das características que o time tem, que o Crespo já trabalhava, com praticamente os mesmos jogadores que o Crespo trabalhava, talvez com uma postura diferente em campo, ser mais dominante. O que nos propusemos a fazer conseguimos, ter a bola, finalizar bastante. Uma pena não ter conseguido.

Como você pretende montar o São Paulo?

Eu pretendo implantar um jeito de jogar da maneira que eu possa ter substitutos para fazer trocas ao longo do jogo. Mesmo não sendo um sistema que eu mais goste, ou usual, mas as caracterísicias dos jogadores são diferentes do que eu tinha no fortaleza, no flamengo. Vamos sempre tentar fazer um time com a melhor possibilidade e analisando as características do adversário.

O que muda depois da primeira passagem?

Acho que são experiências diferentes. 2017 a gente teve a venda de diversos jogadores no meio da temporada, o que não tinha mais possibilidade de conseguir resultados com os que sobraram, porque você perdeu toda a velocidade com os jogadores de frente. Em uma semana depois vieram jogadores como Petros, Hernanes, Arboleda... chegaram vários jogadores na semana seguinte que eu saí. E agora nós temos um grupo diferente, bons garotos de Cotia, com jogadores experientes, que fizeram um bom jogo hoje. Nós vamos tentar fazer o melhor trabalho possível.

Eu estou pensando em ganhar o próximo jogo, que é um clássico, contra um Corinthians bem mais organizado.

Escalação de Orejuela e Benítez após atritos com Crespo

Isso não tem nada a ver. Eu não escalo o time baseado em notícias, informações ou opiniões externas. O Orejuela trabalhou comigo no Cruzeiro e eu conheço ele muito bem. O Benítez é um jogador diferenciado, sofre um pouco na parte física, mas hoje se esforçou muito, se entregou, assim como o Calleri, o Luciano. Eu nem entendo muito de rede social, eu não tenho nada. Meu trabalho é baseado no campo, no dia a dia e no que o trabalho produz.

O Crespo é um cara fantástico, deve ter tido suas razões. Como eu disse ontem, eu teria ficado com o Crespo até o fim do ano e depois faria a reavaliação. É um cara de um caráter fora de série, que conquistou um título, trata todos bem, com educação.

São Paulo