PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Atacante que fraturou crânio em choque com David Luiz absolve zagueiro

Raúl Jimenez e David Luiz se chocaram e o mexicano foi hospitalizado - John Walton/REUTERS
Raúl Jimenez e David Luiz se chocaram e o mexicano foi hospitalizado Imagem: John Walton/REUTERS

07/10/2021 12h12

Classificação e Jogos

Um choque de cabeça entre Raúl Jiménez, do Wolverhampton e David Luiz, então no Arsenal, em novembro do ano passado foi traumático para o mexicano, que sofreu uma fratura no crânio e ficou sem jogar por quase um ano - ele retornou no início da atual temporada. O atacante, porém, não culpa David Luiz pela lesão que colocou sua vida em risco.

Raúl Jiménez disse que pulou para trás, na frente de David Luiz, que em sua opinião, só mirou a bola. Para o atacante, isto já é o suficiente para isentar o brasileiro de qualquer culpa pelo choque.

"Um jogador do Arsenal foi para a primeira trave e passou na minha frente. Se eu não desse um passo à frente, não pularia para trás, o que me fez pular na frente do David Luiz, para trás. Pulando para trás, ele me pegou desprevenido. Eu tiro 100% da culpa do David Luiz; ele foi com a intenção de cabecear a bola. Infelizmente, minha cabeça estava ali", disse o jogador em entrevista à Radio W, do México.

O mexicano ainda revelou que só fala do lance com detalhes porque assistiu a vídeos, já que não se lembra do jogo e até mesmo dos dias que se seguiram à fratura. Assim que deixou o gramado, Jiménez foi levado para o hospital, onde passou por uma cirurgia no mesmo dia. Ele mesmo já disse que ouviu dos médicos que sua sobrevivência é um milagre.

"Já vi o lance muitas vezes. Eu pedi o vídeo para o pessoal do clube e nas redes sociais para ver em ângulos diferentes o incidente. Não me lembro de nada, só de chegar ao estádio, de ver o gramado, de ir ao vestiário e, então, as luzes se apagam. Não me lembro do início da partida, ou do escanteio ou do choque", contou.

"No hospital, eu estava consciente na ambulância até lá, mas não me lembro disso. Eu não me lembro do pós-operatório. Tenho lembranças de coisas que eu fiz no hospital, que me levaram comida, que me impediram de andar, mas não é tanta coisa também", finalizou.

Futebol