PUBLICIDADE
Topo

Santos

Desconfiança abala o cotidiano do Santos e é o maior problema para Carille

Fábio Carille à beira do gramado da Vila Belmiro em partida do Santos contra o Athletico, pela Copa do Brasil - Danilo Fernandes/Estadão Conteúdo
Fábio Carille à beira do gramado da Vila Belmiro em partida do Santos contra o Athletico, pela Copa do Brasil Imagem: Danilo Fernandes/Estadão Conteúdo

Gabriela Brino

Colaboração para UOL, em Santos

22/09/2021 04h00

Com a semana livre, o técnico Fábio Carille prepara o Santos para o jogo contra o Juventude, no domingo (26), pelo Campeonato Brasileiro. Para isso, tem a difícil missão de trabalhar a confiança do elenco, que vive uma de suas piores fases. O Peixe está há nove jogos sem vencer.

Os jogadores, que estão mais esperançosos após o desempenho contra o Bahia, Athletico-PR e Ceará, sabem que precisam de uma vitória contra o Juventude para que a maré vire a favor do Peixe. Mas, por trás do objetivo, ainda existe a pressão do torcedor.

O "caso Tardelli" mexeu muito com o clima no CT Rei Pelé. No dia seguinte ao acontecimento, segundo apurou o UOL Esporte, a diretoria se reuniu com o elenco para passar confiança. Inicialmente, os dirigentes viram a violência direcionada ao atacante como um suposto caso isolado, mas a desconfiança e receio dos atletas fez com que tornassem os protocolos de segurança mais rígidos no dia a dia.

Apesar de o Santos ter solucionado a situação e até ter identificado três dos agressores da emboscada contra Tardelli, o clima no CT Rei Pelé ainda não é dos melhores. Carille, apesar de ter ajustado a defesa, que tomou apenas um gol nos últimos três jogos, tem problemas no ataque, que ainda não se mostrou eficiente.

Marinho, que retornou após mais de um mês parado, ainda está ganhando ritmo de jogo e não emplacou. Na oportunidade que teve de brilhar, perdeu pênalti contra o Ceará. Marcos Guilherme e Léo Baptistão, apesar de arriscarem finalizações, também não se mostraram decisivos até aqui.

Por isso, o treinador santista usará a semana livre para intensificar os trabalhos no ataque, já que a defesa se mostrou equilibrada. Ele também trabalhará melhor o psicológico dos jogadores, desanimado pela má fase e receosos pela possibilidade de chegarem a 10 jogos sem vencer.

Além da dificuldade no dia a dia, Carille precisa se preocupar com a tabela do Campeonato Brasileiro, única competição que o Santos disputa. O time está em 14ª colocado, com apenas 24 pontos, flertando com a zona de rebaixamento.

Com a situação financeira em momento delicado, não há previsão da direção recorrer a reforços para solucionar os problemas no campo. Recentemente, Jandrei, Emiliano Velázquez, Augusto Galván, Léo Baptistão e Diego Tardelli foram anunciados.

Santos