PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Arnaldo: Time do São Paulo morre aos 20 de segundo tempo em qualquer jogo

Do UOL, em São Paulo

20/09/2021 17h48

O São Paulo voltou a vencer pelo Brasileirão depois de resultados ruins contra o Fluminense e o Fortaleza, este pela Copa do Brasil, mas o segundo tempo do jogo contra o Atlético-GO teve como problema a queda de rendimento do time comandado pelo argentino Hernán Crespo.

No podcast Posse de Bola #162, Arnaldo Ribeiro afirma que a questão física é um fator preocupante para o time são-paulino, mesmo atuando sem jogadores veteranos, citando a necessidade de construir uma vantagem significativa para não tomar sufoco no final, o que algumas vezes não é o suficiente.

"O São Paulo não é uma questão de idade, é uma questão de gás, é uma coisa impressionante, o time do São Paulo, aos 20 minutos do segundo tempo, morre, morre em qualquer partida. Isso já era há algum tempo e ontem ficou nítido de novo, mesmo não tendo nenhum veterano em campo, nem o Miranda, que vinha jogando, todos com menos de 30 anos, não tinha nenhum acima de 30 anos jogando", diz Arnaldo.

"A questão principal do São Paulo é essa e vejo as partidas esse ano muito parecidas nesse aspecto, seja no esquema com três zagueiros, que foi campeão paulista, como essa com dois zagueiros contra o Atlético-GO, a questão física do time e aí é um debate mais amplo. Primeiro era culpa do Departamento Médico, depois tem a questão, são lesões, demoram na recuperação, e questão física durante o jogo. Então, essa combinação de fatores que vai além da tática e da técnica no São Paulo deixam muito a desejar nessa temporada para um time que para o treinador tem que jogar de um jeito que ele só consegue jogar por 60 minutos", completa.

O jornalista lembra que no caso do primeiro jogo com o Fortaleza pela Copa do Brasil, no Morumbi, o São Paulo abriu 2 a 0 e nem mesmo esta vantagem o time conseguiu manter nos minutos finais, sofrendo o empate em casa.

"Na prática é assim, se o time não abre uma diferença de dois gols, ele vai entregar o resultado. Às vezes, mesmo com dois gols de diferença, vai entregar, como entregou contra o Fortaleza, na partida de ida da Copa do Brasil, como quase entregou contra o Atlético-GO", diz Arnaldo.

Ele também destaca a estreia do atacante argentino Calleri, que retornou cinco anos depois de fazer uma curta e boa passagem pelo clube. Apesar de ainda não estar com ritmo de jogo, o jogador mostrou, na visão de Arnaldo, que está acima dos demais concorrentes da posição no elenco.

"O Calleri reestreou mais fortinho, está mais musculoso, mas visivelmente fora de forma, não atua desde o final do Campeonato Espanhol, mas em 15 minutos mostrou ser um jogador de um nível que o São Paulo não tem naquela posição, de segurar a bola no ataque, de disputar com o zagueiro, de dar a casquinha, de estar sempre na área adversária. É ainda uma amostra pequena, mas é uma amostra do que pode vir não nessas duas ou três próximas partidas, daqui duas ou três semanas, quando o campeonato já estiver terminando, na verdade", conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol