PUBLICIDADE
Topo

Fluminense

Roger exalta empate do Flu na Libertadores: 'levamos ponto e não desculpas'

Roger Machado exaltou empate do Fluminense em condições adversas na Libertadores - SANTIAGO ARCOS/CONMEBOL LIBERTADORES
Roger Machado exaltou empate do Fluminense em condições adversas na Libertadores Imagem: SANTIAGO ARCOS/CONMEBOL LIBERTADORES

Caio Blois

Do UOL, no Rio de Janeiro

06/05/2021 23h43

O Fluminense arrancou empate fora de casa com o Junior-COL na Libertadores após uma maratona de viagens, incertezas e desorganização da Conmebol. Por todo o contexto do jogo, o técnico Roger Machado exaltou o ponto conquistado por sua equipe em Guayaquil.

O treinador admitiu ter utilizado a epopeia para o jogo pela terceira rodada do grupo D da competição como motivação para os jogadores.

"Frisei aos atletas que nós poderíamos ter todas as desculpas e explicações caso tivéssemos um mal resultado, mas não queríamos levar desculpas, e sim pontos. Conseguimos um ponto importante que pode ser decisivo na parte de cima da tabela", afirmou.

Um dos adversários do Tricolor para o jogo acabou sendo o cansaço. Após uma viagem longa do Rio de Janeiro à Barranquilla, o clube das Laranjeiras viu sua partida ser remarcada para o Equador. Ao todo, foram 10h em voos pela América do Sul, chegando a Guayaquil, destino final, na madrugada do confronto.

"Sempre temos um prejuízo com isso. Chegamos na madrugada do dia do jogo, descansamos durante a manhã e a tarde, mas essa logística sempre gera um desgaste físico e mental em função das incertezas. Conseguimos sobrepor o prejuízo, a logística e o grande adversário. Fizemos um grande jogo, estamos levando um ponto importante para o Brasil apesar da logística da troca de lugar", destacou.

Além de tudo o que aconteceu antes do jogo, logo aos 10 minutos, o Flu viu o árbitro chileno Julio Bascuñan assinalar um pênalti inexistente de Kayky em Fuentes. Na cobrança, Borja abriu o placar para os colombianos, mexendo com os nervos dos jogadores tricolores.

"Levamos um ponto e não desculpas pelas dificuldades. Os atletas souberam lidar com a logística difícil e a qualidade do adversário. Conseguimos superar, inclusive, isso, um juiz que levou problemas para os dois times", disse.

Em que pese toda a dificuldade imposta por outros fatores, Roger também destacou a boa atuação do Junior, que levou perigo ao Fluminense em diversos momentos. Para o treinador, o jogo de posse de bola e velocidade da equipe colombiana funcionou em uma parte do jogo, mas sua equipe poderia, também, sair com uma vitória.

"O futebol colombiano de modo geral tem jogo muito de posse de bola, velocidade em contra-ataque, e nós sabíamos que tínhamos que impedir esse estilo e os avanços. O começo do Junior nos gerou muita dificuldade, com muita intensidade e jogadas no nosso campo. Depois, igualamos, e ao fim, poderíamos até ter um resultado melhor", opinou.

Roger Machado também defendeu suas substituições. Apesar do Tricolor não ter virado a partida, segundo ele, suas intenções nas mexidas funcionaram em campo.

"As mexidas que fez foi ao tempo e necessidade do jogo, escolhendo os jogadores vertos e ter uma vitalidade com características diferentes. Elas funcionaram, nos mantiveram na partida, empatamos um jogo fora e levamos um ponto para o Brasil. Não funciona só quando vencemos. A proposta era manter a velocidade, construir contra-ataques e segurar a bola com Cazares e Bobadilla. As intenções eram manter a profundidade e amplitude. Não teve vitória mas o ponto foi importante", finalizou.

Com cinco pontos, o Fluminense se manteve na liderança do grupo D da Libertadores e agora jogará contra o próprio Junior-COL e o Independiente Santa Fe-COL no Maracanã. Na última rodada da chave, pega o River Plate fora de casa, no Monumental de Núñez.

O próximo compromisso do Tricolor, entretanto, é pelo Campeonato Carioca. No domingo, às 16h, o Flu enfrenta a Portuguesa pelo segundo jogo da semifinal do Estadual. Na ida, empatou por 1 a 1. O clube das Laranjeiras tem a vantagem do empate nesta fase.

Fluminense