PUBLICIDADE
Topo

Brasileirão - 2020

Diniz treina 'saidinha' à exaustão no São Paulo. Por que dá errado no jogo?

Internacional apostou em pressão na saída de bola do São Paulo no Morumbi - Paulo Pinto/saopaulofc.net
Internacional apostou em pressão na saída de bola do São Paulo no Morumbi Imagem: Paulo Pinto/saopaulofc.net

Pedro Lopes e Yago Rudá

Do UOL e colaboração para o UOL, em São Paulo

23/01/2021 04h00

Classificação e Jogos

A goleada sofrida diante do Internacional tirou o São Paulo da liderança do Brasileirão e colocou o clube de forma definitiva em um cenário de crise dentro e fora das quatro linhas. Cada vez mais pressionado, o time comandado por Fernando Diniz tenta reverter a maré e manter viva a esperança de título no duelo de hoje (23) contra o Coritiba, às 19h, no Morumbi.

Jogadores e treinador irão a campo depois de uma conversa dura na qual a diretoria cobrou alternativas na forma de atuar. No centro das críticas, está a outrora exaltada estratégia de sair jogando na área defensiva para construir as jogadas.

Desde a eliminação para o Grêmio na semifinal Copa do Brasil, em 30 de dezembro, o São Paulo está em queda livre: foram três derrotas, duas delas goleadas, e um empate. O time passou a ser melhor estudado pelos rivais, além de ser explorado na característica que define seu próprio estilo de jogo, agonizando com a marcação intensa em seu campo de defesa durante a saída de bola.

Nos 27 jogos do Brasileirão disputados pelo São Paulo em 2020, a equipe foi desarmada, em média, 14,8 vezes por partida. Já nos quatro confrontos deste ano, o número subiu para 17,3. Além disso, o Tricolor deixou de roubar a bola dos seus adversários com tanta frequência. Nos duelos do ano passado, a média são-paulina foi de 13,3 desarmes, e caiu para 7,25 em 2021.

Os números ajudam a explicar a queda de rendimento: o São Paulo tem tido mais posse, sempre pressionado em seu campo de defesa e cometido erros vitais na saída de bola. Foi assim contra o Red Bull Bragantino, Athletico-PR, Santos e Internacional — justamente os tropeços que selaram a perda da 'gordura' na liderança a queda para a segunda posição na tabela.

A comissão técnica tem treinado exaustivamente esse aspecto do jogo são-paulino. Para amplificar a pressão que o time pode sofrer nos jogos, Diniz já chegou a fazer uma marcação com 14 jogadores sobre a saída de bola dos titulares durante os treinos. Quem acompanha as atividades afirma que os atletas erram muito pouco, o que reforça a crença entre jogadores e comissão de que os vacilos nas últimas partidas passam muito por fatores psicológicos.

A saída de bola é considerada por Diniz um pilar fundamental da forma de jogar de seu time. Mudar de estilo, a essa altura, é uma tarefa considerada quase impossível, e afetaria o plano de jogo do São Paulo em todas as fases. É por essa saída também que passa a insistência do técnico com Daniel Alves, que vem sendo alvo de críticas da torcida — o veterano é o principal responsável por buscar a bola no campo de defesa e iniciar a construção das jogadas.

Na última quinta-feira (21), a diretoria, com presença do presidente Julio Casares, cobrou de Diniz alternativas para a saída de bola. Os próprios dirigentes, entretanto, veem pontos em defesa do treinador, reconhecem que ele trabalha com um elenco com menos opções que possam facilitar uma mudança de estilo.

Hoje, contra o Coritiba, às19h, no Morumbi, o São Paulo tenta reagir e demonstrar novamente o futebol que o levou à liderança no Campeonato Brasileiro. Uma boa apresentação é considerada pela direção fundamental para a permanência de Fernando Diniz, o resgate da confiança do elenco, e a volta da estabilidade ao CT da Barra Funda.

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO x CORITIBA
Competição:
32ª rodada do Campeonato Brasileiro
Data e hora: 23/01/2021 (sábado), às 19h (horário de Brasília)
Local: estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Árbitro: Rodrigo Dalonso Ferreira (SC)
Auxiliares: Alex dos Santos e Thiaggo Americano Labes (ambos de SC)
VAR: Emerson de Almeida Ferreira (MG)

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Juanfran, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Luan, Tchê Tchê (Igor Gomes), Gabriel Sara e Dani Alves; Brenner e Luciano. Técnico: Fernando Diniz

CORITIBA: Wilson; Natanael, Nathan Ribeiro, Henrique Vermudt e Guilherme Biro; Hugo Moura, Nathan Silva, Matheus Bueno e Luiz Henrique; Pablo Thomaz (Rafinha) e Neilton. Técnico: Júlio Sérgio