PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Ramírez contesta pênalti a favor do Sport, mas admite queda do Inter

Cesar Olmedo - Pool/Getty Images
Imagem: Cesar Olmedo - Pool/Getty Images

Jeremias Wernek

Do UOL, em Porto Alegre

31/05/2021 00h18

Miguel Ángel Ramírez admitiu que o Internacional oscilou durante o jogo contra o Sport, na estreia do Campeonato Brasileiro. Depois de abrir dois gols de vantagem e ceder empate em 2 a 2, dentro do estádio Beira-Rio, o treinador citou queda de rendimento ao longo da partida. Mas ainda assim, contestou pênalti assinalado em favor do time de Recife.

Edenilson e Rodrigo Lindoso marcaram para o Inter. Thiago Neves e André fizeram para o Sport. No final, ainda houve reclamação colorada por jogada anulada que terminou com bola na rede de Thiago Galhardo. A arbitragem afirmou que a bola já havia saído.

"Começamos a fazer coisas, ainda no primeiro tempo, que não gosto. Que nos deixam longe do plano de jogo. Já no primeiro tempo não estávamos conseguindo, do ponto de vista defensivo, ir à frente e levar a cabo o plano. Melhoramos no segundo tempo, mas pioramos no lado ofensivo. Nos custou muito controlar", disse o treinador.

Ao falar sobre a reviravolta no jogo, Miguel Ángel Ramírez contestou a leitura de que tem sido frequente em partidas do Inter a oscilação. E, então, reclamou da penalidade assinalada por toque de mão de Mauricio.

"Não sei se foi pênalti… Não sei. E o gol foi de pênalti. Eles até estavam bem, podiam estar melhores, mas não tinham feito gol até então", citou o técnico. "O primeiro gol eu não sei. Não sei. Mesmo assim, tenho que me concentrar naquilo que está nas minhas mãos. Temos que melhorar o que está em nossas mãos. Perdemos peças, agora estamos recuperando".

Quando indagado sobre as dificuldades defensivas, o treinador comentou especificamente.

"Por dentro (do campo) a gente teve igualdade, mas na hora de saltar, de nos movermos, nessa troca, não estávamos acompanhando ali atrás. Estávamos chegando tarde. O primeiro (jogador) que fazia isso até podia fazer bem, mas o segundo e o terceiro estavam chegando tarde. E por aí, o time adversário teve espaço. E digo, aconteceu também no primeiro tempo. Tanto por dentro como por fora. No intervalo falamos, mostramos. Melhoramos por fora, mas por dentro não. E por isso fizemos as trocas, as substituições. Botamos jogadores para tentar ter ajuste atrás e não deixar tantos espaços atrás", afirmou.

O Internacional volta a campo contra o Vitória, na quinta-feira (3), pela Copa do Brasil.

Futebol