PUBLICIDADE
Topo

Vasco

STJ derruba liminar que suspendeu 1ª eleição, e Leven se declara vencedor

Candidato Leven Siano, da chapa Somamos, se considera o presidente eleito do Vasco da Gama - Divulgação / Chapa Somamos
Candidato Leven Siano, da chapa Somamos, se considera o presidente eleito do Vasco da Gama Imagem: Divulgação / Chapa Somamos

Alexandre Araújo e Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

15/11/2020 00h55

A eleição do Vasco, definitivamente, não é para amadores. Menos de uma hora depois do candidato Jorge Salgado, da chapa "Mais Vasco", ser oficializado como vencedor da eleição online hoje (15), uma movimentação do Superior Tribunal de Justiça (STJ) às 22h47 fez com que se criasse uma nova narrativa.

Autor de tal ação no órgão federal, o candidato Leven Siano, da "Somamos", interpretou que a nova etapa lhe favoreceu e se autoproclamou como o legítimo presidente eleito do Cruz-maltino.

Na consulta ao processo no site do STJ, a ação foi reencaminhada ao Tribunal de Justiça (TJ-RJ), instância que tinha legitimado a eleição presencial do último dia 7, em São Januário, antes de ser suspensa.

Nas redes sociais, Leven Siano comemora o movimento e interpreta que o significado dele é o de que a votação deste sábado (14) não teve valor e a de sábado passado voltou a valer.

Pelo lado de Jorge Salgado, o grupo se considera eleito e comemorou a vitória em um restaurante na Zona Sul do Rio de Janeiro.

Independente do que for definido, o certo é que a batalha judicial no processo eleitoral está longe de acabar.

Quais foram as ações de Leven Siano?

Na última sexta-feira (13), Leven Siano chegou à última instância, o Supremo Tribunal Federal (STF), mas a ministra Carmen Lúcia negou sua ação. No mesmo dia, ingressou com um mandado de segurança no Superior Tribunal de Justiça (STJ) com o objetivo de suspender a eleição deste sábado (14). Antes, já havia entrado com um pedido de reconsideração da decisão que suspendeu o pleito presencial do dia 7, em São Januário.

A atualização do STJ às 22h47, reencaminhando ao TJ-RJ, foi justamente a do pedido de reconsideração.

Vasco