PUBLICIDADE
Topo

Vasco

Jorge Salgado é eleito o novo presidente do Vasco; ações correm na Justiça

Jorge Salgado é festejado em chegada ao Calabouço, para eleição do Vasco - Divulgação "Mais Vasco"
Jorge Salgado é festejado em chegada ao Calabouço, para eleição do Vasco Imagem: Divulgação "Mais Vasco"

Alexandre Araújo e Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

14/11/2020 22h22Atualizada em 14/11/2020 22h44

O Vasco tem um novo presidente. Em eleição realizada hoje (14), de forma híbrida — com votos on-line e presenciais —, Jorge Salgado, da chapa "Mais Vasco", foi eleito mandatário do clube pelo próximo triênio, com 1.682 votos. Julio Brant, da "Sempre Vasco", ficou na segunda colocação, com 1.306. Ao todo, foram 3.054 votos, tendo ainda 35 nulos e 11 brancos.

Vale ressaltar que Leven Siano, da chapa "Somamos", ainda busca, na Justiça, caminhos para validar o resultado da eleição que aconteceu no último dia 7 e foi suspenso pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

"Acho que também eu carrego um pouco de história, de Vasco... Acho que isso também me ajudou bastante, credibilidade. Isso acho que foi decisivo para a nossa vitória", disse, pouco após o término da apuração dos votos.

Salgado, que tem 73 anos, é formado em engenharia e teve forte atuação no mercado financeiro, tendo sido fundador da Ativa Investimentos.

A relação com o Cruz-Maltino é antiga. Jorge Salgado é grande benemérito e foi vice-presidente de finanças entre 1986 e 1989. Além disso, teve passagem como diretor de seleções da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Concorreu à presidência do Vasco em 1997, em pleito que foi vencido por Antônio Soares Calçada e que teve algumas polêmicas. Frustrado com esse episódio, se afastou da vida política do clube, mas, ainda assim, sempre com atuação nos bastidores quando acionado.

Desta forma, a "Mais Vasco" levará 120 conselheiros ao Deliberativo, enquanto a "Sempre Vasco" ficará com 30 cadeiras. Estes, vão se unir aos 150 natos, formando os 300 integrantes.

O pleito teve apenas dois candidatos. Alexandre Campello, da chapa "No Rumo Certo", retirou candidatura na última terça-feira. Leven Siano, da "Somamos", afirmou não concordar com nova eleição, incentivou um boicote à movimentação deste sábado e apresentou carta-renúncia. O mesmo fez Sergio Frias, da "Aqui é Vasco", que garantiu que só colocaria o nome na disputa caso Leven participasse, o que não aconteceu.

Leven tem 2 ações em curso no STJ

Candidato Leven Siano, da chapa Somamos, se considera o presidente eleito do Vasco da Gama - Divulgação / Chapa Somamos - Divulgação / Chapa Somamos
Imagem: Divulgação / Chapa Somamos


Embora tenha recebido uma negativa da ministra Carmen Lúcia em sua ação no STF, Leven Siano não se dá por vencido e ainda aguarda uma resposta de outras duas movimentações jurídicas, ambas no STJ: uma com um pedido de reconsideração da liminar que suspendeu os efeitos da eleição do último dia 7 e outra um mandado de segurança solicitando a suspensão do pleito online de hoje.

O candidato da chapa "Somamos" investiu pesado e contratou dois advogados renomados e com bom trânsito em Brasília: Ronaldo Cramer e Wadih Damous, ex-deputado federal pelo PT e um dos responsáveis pelo habeas corpus que libertou o ex-presidente Lula da prisão.

Entenda a polêmica

Sócios votam na eleição do Vasco no ginásio de São Januário - Alexandre Araújo / UOL Esporte - Alexandre Araújo / UOL Esporte
Imagem: Alexandre Araújo / UOL Esporte

A eleição deste sábado aconteceu depois de muita polêmica nos bastidores e guerra judicial. A corrida eleitoral realizada no último sábado (7), e de forma presencial, aconteceu graças a uma decisão judicial publicada na noite anterior. Nela, o desembargador Camilo Ribeiro Ruliére derrubou liminar que determinava que o pleito fosse on-line no dia 14.

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins, porém, suspendeu a eleição na noite de sábado, com ela já em andamento, e fazendo valer a liminar anterior. Após idas e vindas, a votação teve continuidade, já sem a presença das chapas "Mais Vasco", de Jorge Salgado, "Sempre Vasco", de Julio Brant, e "No Rumo Certo", de Alexandre Campello. A apuração dos votos, inclusive, só teve a presença de membros das chapas "Somamos", de Leven Siano, e "Aqui é Vasco", de Sergio Frias.

Depois da decisão de continuar a votação, mesmo com a apresentação do STJ, "Mais Vasco", "Sempre Vasco", e "No Rumo Certo", do presidente Alexandre Campello, retiraram-se. A apuração das urnas foi feita apenas com membros da "Somamos", e "Aqui é Vasco", de Sérgio Frias.

Posteriormente, Mussa, presidente da Assembleia Geral, convocou outra eleição presidencial para este sábado (14), no formato on-line, algo que foi chancelado com a publicação do edital de convocação no site oficial do clube.

Durante a semana, Alexandre Campello retirou a candidatura. Sérgio Frias e Leven Siano, que declararam não concordar com nova eleição, também apresentaram carta renunciando a candidatura.

Ontem à noite, Leven teve negada pela ministra Carmen Lúcia uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF). O candidato, porém, ainda tem mais duas movimentações jurídicas à espera de uma resposta, ambas no STJ: um pedido de reconsideração da decisão que suspendeu a eleição do dia 7 e um mandado de segurança solicitando a suspensão do pleito de hoje.

Vasco divulga resultado

Após a apuração dos votos, o Vasco, através do site oficial, divulgou o resultado da eleição. No dia 7, diante da suspensão do pleito pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), o clube não se manifestou sobre a eleição.

"Em Assembleia Geral Ordinária (AGO) online realizada neste sábado (14/11), na Sede do Calabouço, a chapa Mais Vasco, encabeçada por Jorge Salgado, recebeu 1.682 votos, contra 1.326 votos da chapa Sempre Vasco, encabeçada por Julio Brant. Foram também 11 votos em branco e 35 votos nulos".

Vasco