PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Jean Pyerre fica fora de mais da metade dos jogos do Grêmio na temporada

Lucas Uebel/Grêmio FBPA
Imagem: Lucas Uebel/Grêmio FBPA

Jeremias Wernek

Do UOL, em Porto Alegre

28/10/2020 04h00

Considerado uma das joias do Grêmio, com multa rescisória acima de R$ 500 milhões, o meia-atacante Jean Pyerre se recupera de novo desconforto muscular, agora na coxa esquerda. O atleta de 22 anos tem feito sessões de reforço muscular e a atual temporada do jogador tem sido bem mais acidentada que os meros dias de treinos adicionais. Em 2020, o camisa 21 tem minutagem equivalente a dez jogos.

É como se Jean Pyerre participasse de um a cada quatro jogos do Grêmio. A média alimenta o clima de 'mistério' que soma problemas musculares e de comportamento.

É mistério entre aspas ocorre porque não há uma resposta direta. Mas deixa de ser um caso misterioso quando o olhar é feito com dois passos de distância do cenário. E a vista encontra problemas físicos e comportamento como respostas.

Em números absolutos, Jean Pyerre atuou em 14 dos 40 jogos do Grêmio em 2020. Esteve em campo por 880 minutos, o equivalente a 9,7 jogos. Um dado que se justifica com o contexto.

Lesões

Jean Pyerre abriu 2020 se recuperando de lesão na coxa, ocorrida em setembro. Só fez a estreia na temporada em março e uma semana depois, o futebol parou por conta da pandemia. Na quarentena, o jogador bancou preparador físico particular para ter trabalho adicional na busca por manter resistência e força física. Voltou e fez o gol da vitória no Gre-Nal disputado em Caxias do Sul, de falta.

De julho para cá, o Grêmio informou que ele teve duas novas lesões e mais de um desconforto muscular. No clube, existe a ideia de que a estrutura física do camisa 21 tem problemas crônicos que exigem maior atenção. Além de reforço muscular da lesão de 2019.

Comportamento

No meio das entradas e saídas do departamento médico, Jean Pyerre conviveu com outras ocorrências. Na primeira, Renato Gaúcho cobrou o meia-atacante por pênalti cometido diante do Novo Hamburgo, no Gauchão. O puxão de orelhas foi por desatenção do jogador, que já havia sido alertado sobre isso antes.

Renato e Jean Pyerre não convivem em ambiente de desavença, mas a relação entre eles nem de longe lembra o convívio do treinador com outros jovens lançados no Grêmio recentemente. Arthur, Pedro Rocha e até Everton Cebolinha tinham outro tipo de convívio com o técnico.

A explicação para o distanciamento entre ambos indica que a personalidade de Jean Pyerre fala alto. O meia-atacante tem histórico de passagens onde demonstrou atitude e em algumas delas foi interpretado como "marrento demais".

Covid-19

Em agosto, Eduardo Correa, pai de Jean Pyerre, testou positivo para Covid-19 e foi internado em estado grave — devido às complicações da doença. O meia-atacante chegou a ser liberado de treinos para ficar ao lado da família. Em setembro, ele mesmo foi diagnosticado com a doença, mas não teve complicações.

Jean Pyerre ficou abalado psicologicamente com a internação do pai, mas recentemente demonstrou estar bem mesmo com teste positivo de Covid-19. No dia a dia do Grêmio, continua sendo um dos mais animados e mantém ótima relação com o elenco.

Diante do Juventude, no jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil, Jean Pyerre deve ficar no banco de reservas. Se entrar, vai melhorar os números.

Futebol