PUBLICIDADE
Topo

Felipe Santana vê Marquinhos com cadeira cativa na seleção brasileira

Felipe Santana, no Borussia Dortmund - Patrik Stollarz/AFP
Felipe Santana, no Borussia Dortmund Imagem: Patrik Stollarz/AFP

Colaboração para o UOL, em São Paulo

03/06/2020 20h21

Campeão alemão com o Borussia Dortmund nas temporadas 2010-2011 e 2011-2012, o zagueiro Felipe Santana avaliou a atual geração de zagueiros do Brasil e declarou que Marquinhos é o único que tem cadeira cativa na seleção brasileira. O jogador ressaltou a importância de Tite ter levado o defensor do PSG à Copa do Mundo de 2018.

Além de Marquinhos, Felipe Santana acredita que Rodrigo Caio, do Flamengo, e Gabriel Guimarães, do Lille (FRA), são os zagueiros com mais chances de defender a seleção brasileira nos próximos anos.

"Foi importante o Tite levar o Marquinhos para a Copa, deixando claro que ele seria o sucessor natural na defesa. Da nova geração de zagueiros, ele é o único que tem cadeira cativa na seleção brasileira. Tem outros que estão despontando muito bem, como o Rodrigo Caio, o Gabriel Magalhães. O Brasil tem que lapidar esses jogadores, principalmente porque esta é uma posição para a qual, culturalmente, não olhamos da mesma maneira que olhamos para os meias e atacantes. Esses nomes devem ser os próximos a ir para a seleção", declarou o zagueiro em entrevista ao Expediente Futebol, do Fox Sports, hoje.

Experiência com Jurgen Klopp

Felipe Santana ainda falou sobre o técnico Jurgen Klopp, atual campeão da Champions League com o Liverpool. O treinador alemão dirigiu o zagueiro brasileiro nos títulos nacionais do Borussia Dortmund.

O defensor brasileiro destacou a capacidade de Klopp de gerir grandes grupos e manter todos os jogadores motivados dentro de campo.

"O Klopp é um gerenciador de pessoas. Ele sabe muito bem como gerir atletas em condições de dificuldade. Ele sempre foi um treinador muito mental, sempre fez esse papel com muita maestria, deixando os atletas à vontade para jogar. Ter uma pessoa com muita energia na lateral do campo, ajuda. E ele é muito intenso. Sempre termina os jogos suado, parecendo que jogou mais que os jogadores. O segredo dele é gerir bem nos momentos de dificuldade. Por isso, ele tem todo esse carisma e resultado", complementou.

UOL Esporte vê TV