PUBLICIDADE
Topo

Campeão pelo Flu em 2010, Rodriguinho aguarda 'mês decisivo' no Taubaté

Rodriguinho, ex-atacante do Fluminense - Nelson Perez/AscomFFC
Rodriguinho, ex-atacante do Fluminense Imagem: Nelson Perez/AscomFFC

Alexandre Araújo

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

28/05/2020 04h00

Autor de três gols contra o Flamengo na vitoriosa campanha do Fluminense no Campeonato Brasileiro de 2010, o atacante Rodriguinho, atualmente no Taubaté, lembra o carinho que tem dos tricolores até hoje. O jogador aguarda a volta do futebol em São Paulo - por conta da pandemia de coronavírus - para jogar um mês que se desenha como desicivo e, aos 37 anos, ainda não tem planos de parar.

Rodriguinho chegou às Laranjeiras após boa passagem pelo Santo André, onde atuou até o Campeonato Paulista de 2010. No primeiro turno do Campeonato Brasileiro daquele ano, o então recém-chegado atacante marcou na vitória tricolor sobre o Flamengo por 2 a 1. Já no segundo turno, fez dois no empate em 3 a 3 e justificou a tranquilidade de Fred. Com o faro de gol aguçado contra o rival rubro-negro, ganhou o apelido de "Matador de Urubu" por parte da torcida.

"Foi um ano maravilhoso e a torcida do Fluminense lembra até hoje. Onde eu vou recordam desses clássicos Fla x Flu, falam: 'Em 2010 foi o Matador de Urubu' (risos). No jogo do segundo turno, o Fred estava machucado. Antes de entrar, ele falou para mim: 'Se você está no jogo, tem gol. Estou aqui há quase um ano e não consegui fazer gol no Flamengo. Você, logo no primeiro, já fez. Então, estou tranquilo'. É uma sensação maravilhosa de ter tido a chance de fazer gol em um clássico como esse, histórico. Ficou marcado em minha carreira", disse.

Atacante Rodriguinho, do Taubaté, em ação em jogo-treino diante do São Bernardo - Foto: Bruno Castilho / EC Taubaté - Foto: Bruno Castilho / EC Taubaté
Atacante Rodriguinho, do Taubaté, em ação em jogo-treino diante do São Bernardo
Imagem: Foto: Bruno Castilho / EC Taubaté

Em meio à paralisação do futebol por conta do surto de contágio de covid-19, a grade esportiva tem sido preenchida com reprises de jogos e o duelo válido pela primeira metade da competição nacional encheu os olhos do filho Davi, de seis anos, que pôde ver o papai Rodriguinho em ação.

"Há pouco tempo, um amigo me avisou que aquele jogo [Fla x Flu] do primeiro turno estava passando na TV. Tenho um filho de seis anos, que não era nascido na época, e o coloquei para assistir. A pandemia é algo muito ruim, mas, em meio a tudo isso, pude mostrar a ele a época que o pai atuou no Fluminense e fez gol nesse grande clássico", aponta.

Ao falar sobre a campanha de 2010, o atacante se mostra orgulhoso por ter sido um nome ativo na conquista da taça.

"Para mim, foi algo maravilhoso porque fiz parte, não estava lá só para completar elenco. Na época, até comentava que eu não tinha noção do que é conquistar um Brasileiro. O Fluminense estava na fila, poder chegar, ajudar e ser campeão, é inesquecível", assegura ele, que, até hoje mantém contato com o lateral-esquerdo Carlinhos.

Relação com os jogadores mais badalados

Rodriguinho celebra gol do Fluminense com Fred e Mariano -  Photocamera (Arquivo) -  Photocamera (Arquivo)
Imagem: Photocamera (Arquivo)

Aquele elenco do Fluminense contava com nomes como Fred, Deco, Conca, Belleti, Washington e Emerson Sheik, jogadores que chegaram às Laranjeiras já com grandes currículos. Rodriguinho diz que o dia a dia com eles era bom e recorda conversas com Deco, além dos torneios virtuais com o ex-camisa 9.

"Era uma relação muito boa. Na concentração, após o almoço, o Deco sempre chamava os mais jovens para sentar e conversar, trocar uma ideia. O Fred sempre convidava para um torneio de vídeo-game. Ele levava o vídeo-game e chamava o pessoal para jogar".

Fred e Fluminense, inclusive, têm negociações avançadas por um retorno e Rodriguinho torce para que o ex-companheiro possa vestir novamente a camisa tricolor, salientando o carinho que o centroavante tem pela instituição.

"Ele é um cara que não tem o que falar, tem uma história bonita no clube. Isso que o Fluminense está fazendo, para ele voltar, está certo. Sigo ele no Instagram e vejo ele treinando todo dia. E o homem sabe fazer gol, hein! (risos). Vai ajudar e muito. Estou torcendo para dar certo e que ele volte, até porque é um clube que ele sempre mostrou ter um grande carinho".

"Mês para mostrar"

Atualmente no Taubaté, que disputa a Série A2 do Campeonato Paulista, Rodriguinho está no aguardo do retorno do calendário e prevê pela frente um mês de muita batalha. Isso porque, além das partidas na competição, o jogador só tem vínculo até o fim do Estadual e buscará mostrar serviço visando novas oportunidades.

O Taubaté está na segunda colocação, com 21 pontos, um atrás do São Bernardo. Restam três rodadas para a competição chegar às quartas de final.

"Estamos esperando o campeonato voltar. O preparador-físico do clube vem passando, semanalmente, trabalhos para fazermos. Ele passa trabalhos individuais, de acordo com o que cada jogador tem em casa, para mantermos a forma".

"Tenho contrato até o final do Paulista. A expectativa é voltar e buscar nosso objetivo, que é o acesso, para que possamos dar continuidade no segundo semestre. Para todo mundo que tem contrato terminando, vai ser um mês para mostrar, para arrumar alguma coisa para o segundo semestre. Mas a expectativa é boa pelo elenco que foi montado e por estarmos perto da classificação ao mata-mata. É um mês de campeonato que todo mundo vai tentar 'ir dentro'.", completou.

Aos 37 anos, o jogador ressalta que vem cuidando da forma física e não tem planos para aposentadoria em breve.

"Eu me cuido muito, me preparo bastante. Na realidade, enquanto o telefone tocar, vou dar continuidade, se eu enxergar que vale a pena. Ainda não tracei nenhuma meta. Até os 40, vou tentar da continuidade [na carreira]".

Fluminense