PUBLICIDADE
Topo

Flamengo

Português fã de Jesus torce para o Flamengo e terá 'saga' em volta de Lima

André e Paula em um jogo do Flamengo no Maracanã. Casal vai enfrentar trajeto "nada convencional" na volta de Lima - Arquivo Pessoal
André e Paula em um jogo do Flamengo no Maracanã. Casal vai enfrentar trajeto 'nada convencional' na volta de Lima Imagem: Arquivo Pessoal

Alexandre Araújo, Bruno Braz e Leo Burlá

Do UOL, no Rio de Janeiro e em Lima (Peru)

23/11/2019 09h00

Resumo da notícia

  • André Catalão é um português fanático pelo Sporting e que, hoje, também torce pelo Flamengo
  • Começou a acompanhar o Rubro-Negro em 2012, quando veio moral no Brasil e foi levado a dois jogos pelo sogro
  • Com a vinda de Jorge Jesus para a Gávea, passou a ir aos jogos com ainda mais frequência
  • À época do acerto com o treinador, André 'previu' o título do Brasileiro ao falar do trabalho do treinador para amigos
  • André e Paula vão a Lima, para a final da Libertadores, e vão passar por uma jornada na volta ao Rio de Janeiro

Quem passa por André Catalão nos arredores do Maracanã, com a camisa do Flamengo, sequer desconfia se tratar de um português que adotou o Rubro-Negro como segundo clube e que viu essa paixão aumentar ainda mais com a chegada do técnico Jorge Jesus, de quem sempre foi fã. Agora, se prepara para ir a Lima, no Peru, acompanhar a final da Libertadores depois de certa apreensão com a mudança da cidade-sede e tendo pela frente uma saga para voltar ao Rio de Janeiro.

A relação de André com o Brasil começou antes mesmo dele ter nascido, se é que se isso é possível. Os pais dele, portugueses, moraram em São Paulo e, por aqui, se formaram e casaram. Em 1986, com um filho de seis meses, voltaram para Portugal. Em 1989, nasceu André, um torcedor fanático do Sporting Lisboa.

No fim de 2009, os pais de André celebram 25 anos de casamento, Bodas de Prata, e fizeram uma grande festa. Dentre os convidados, amigos que fizeram na faculdade, nos tempos de Brasil. Nesta lista, os pais de Paula Paiva, que conheceria na ocasião e com quem casaria anos depois.

No casamento de André Catalão e Paula Paiva, itens do Flamengo e Sporting - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
No casamento de André Catalão e Paula Paiva, itens do Flamengo e Sporting
Imagem: Arquivo Pessoal

Em 2011, André e Paula começaram a namorar e, em 2012, após ela passar um período estudando em Madrid, na Espanha, os dois vieram para o Brasil. E é aí que a relação dele com o Flamengo começa.

"Sempre fui um torcedor fanático do Sporting, ia a todos os jogos. Quando cheguei aqui, tinha a perspectiva de ficar. Por ser um amante de futebol, fui escolher um time para torcer. Meu sogro, torcedor roxo do Flamengo, me levou duas vezes ao Engenhão para ver o Flamengo. Na época o Maracanã estava fechado para obra para Copa. Dali, não teve mas jeito. Gostei, comecei a ir, tinha amigos que eram rubro-negros", disse.

Apesar da paixão pelo Flamengo, André não nega as origens e nem deixa o Sporting de lado. Porém, em meados de 2019, viu, de certa forma, os amores se juntarem.

"Sempre fui fã do Jesus, o pai dele foi jogador do Sporting. Ele [Jesus] é torcedor, foi jogador e também treinador. Sempre o acompanhei e, quando ele fechou com o Flamengo, foi a melhor notícia", afirmou.

André Catalão, torcedor do Flamengo e Sporting, no último jogo de Jesus à frente do Sporting - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
André Catalão (esq) no último jogo do técnico Jorge Jesus à frente do Sporting
Imagem: Arquivo Pessoal

Ciente do que Jorge Jesus era capaz, André praticamente previu o que aconteceria com o time rubro-negro no restante da temporada, após a contratação do treinador.

"Um monte de amigo meu rubro-negro me mandou mensagem perguntando sobre ele, sobre os trabalhos que tinha feito. Eu disse: 'Olha, ele vai colocar todo mundo para correr, vai dar intensidade ao time. Tenho certeza que vai ser campeão brasileiro", recorda e, em um tom bem-humorado, ressalta que estava certo.

O fato de o Flamengo ter Jesus à beira do gramado empolgou ainda mais André, que passou a ser mais assíduo nas partidas:

"Eu sempre fui aos jogos, mas depois que veio o Jesus, eu comprei o pacote e estou indo a todos no Maracanã. Não tem jeito. É uma dupla torcida".

Logo que chegou ao Brasil, em 2012, André morou no Vidigal, comunidade na Zona Sul do Rio de Janeiro, e trabalhou em um hostel na localidade. Em 2015, montou, com um sócio argentino, uma agência de turismo. Ano passado, recebeu o tão esperado "sim" de Paula, companheira também nos jogos do time da Gávea.

"Em 2015 montei a empresa, saí do Vidigal... Em 2017 reunimos condições e fomos morar juntos. Ano passado, nos casamos. Somos sócios-torcedores há quase cinco anos e vamos sempre juntos aos jogos".

Agora, o casal se prepara para mais uma aventura, desta vez, tendo o Flamengo como protagonista. Vão a Lima, capital do Peru, para acompanhar o duelo com o River Plate, da Argentina, que pode valer o bi da Libertadores.

Antes, porém, uma certa apreensão após a mudança de local do jogo, que aconteceria, inicialmente, em Santiago, no Chile.

"Nós éramos do plano mais básico, que é o "Raça". Com a grande procura que as partidas começaram a ter, principalmente na Libertadores, fizemos o 'upgrade' do sócio da Paula. Como podia comprar o ingresso próprio e mais dois, sempre comprávamos também para mim e meu sogro. Mas aí veio a final e só podia comprar um", contou ele, que completou:

"Eu tinha certeza que não chegaria ao meu plano por conta da prioridade na venda, que vai dos planos mais altos aos mais baixos. Então, fomos atrás de pessoas com planos superiores que não iriam para o Chile. Paguei R$ 1 mil a um sócio pelo código e, depois, comprei o ingresso. Com tudo certo, fomos para Portugal, visitar minha família. A sede mudou quando estávamos lá".

André Catalão, torcedor do Flamengo e Sporting, no primeiro Fla x Flu, em 2012 - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
André Catalão (à direita na foto) pela primeira vez em um Fla x Flu, em 2012, no Nilton Santos
Imagem: Arquivo Pessoal

Depois de conseguirem fazer a alteração dos ingressos, começou a busca por passagens para o Peru e a dúvida quanto ao investimento a ser feito.

"Foi uma confusão. Nós tínhamos comprado passagem para Santiago por uma empresa chilena, que não faz o trajeto Rio-Peru. O que conseguimos foi, mostrando que tínhamos ingresso para o jogo, o reembolso. Mas fomos pesquisar passagens para o Peru e estavam muito caras. Pensamos até se vendíamos [os ingressos], mas quando trocamos o ingresso na Gávea, tivemos ele na mão, falamos: 'Temos de ir nesse jogo. Vamos dar um jeito'. E fomos atrás", assegura.

Com a passagem de ida comprada, embarcam nesta sexta-feira (22), vão fazer a volta de Lima ao Rio passando pela... Europa!

"Pois é! (risos) Foi o mais barato que encontramos. Vamos fazer Lima - Madrid (ESP), Madrid - Lisboa (POR), e Lisboa - Rio. Se eu soubesse, nem tinha voltado, ficava em Lisboa diretamente", brinca ele.

Visibilidade do futebol brasileiro em Portugal

Com a chegada de Jorge Jesus ao Flamengo, os portugueses passaram a acompanhar mais de perto o futebol brasileiro. Uma prova disso André teve no dia do clássico carioca entre Flamengo e Vasco, pelo Campeonato Brasileiro.

"Estou no Brasil há algum tempo, então, não posso dizer como estava antes. Mas o Flamengo e o futebol brasileiro todo mundo tem acompanhado. Tem uns programas esportivos que dedicam cerca de 30 minutos para falar do Jesus e do futebol brasileiro como um todo. No dia do Flamengo x Vasco, eu estava em Portugal, em um bar, e estava quase indo embora para ver o jogo em casa. Foi quando em uma mesa atrás, com portugueses, pediu para colocar no canal 11 [canal que tem transmitido jogos do Fla e alguns do Brasileiro] porque ia começar o clássico".

Enquanto está no Brasil, um canal de TV fechado e a internet se tornam aliados para acompanhar o primeiro clube do coração.

"Acompanho todos os jogos. O Campeonato Português passa na ESPN. Às vezes, quando é jogo pela Copa [de Portugal] ou Liga Europa, e não tem transmissão em TV daqui, assisto pela internet mesmo", afirma.

Flamengo