Topo

Futebol


Técnica e "um contra um": Como Mateus Vital ressurgiu no Corinthians

Mateus Vital, do Corinthians, passa a bola para Ramiro em jogo contra o Montevideo Wanderers - Raúl Martínez/EFE
Mateus Vital, do Corinthians, passa a bola para Ramiro em jogo contra o Montevideo Wanderers Imagem: Raúl Martínez/EFE

Samir Carvalho

Do UOL, em São Paulo (SP)

21/08/2019 04h00

Enquanto Sornoza e Jadson brigavam pela vaga de principal armador do time, e a torcida pedia por Pedrinho na função, o meia Mateus Vital correu por fora e agora pode assumir a posição de "maestro" no Corinthians. O jovem revelado pelo Vasco, inclusive, deve iniciar o duelo contra o Fluminense, amanhã, às 21h30 (de Brasília), em Itaquera, pelo jogo de ida das quartas de final da Copa Sul-Americana.

O UOL Esporte apurou com profissionais do clube o motivo da "ressurreição" de Vital. Além da técnica, a eficiência no chamado "um contra um" pesou para que ele começasse a convencer o técnico Fábio Carille a escalá-lo no lugar de Sornoza.

Internamente, Vital é considerado um dos poucos meio-campistas do elenco que gosta de partir para cima da marcação e abrir espaços na defesa adversária. Jadson e Sornoza, por exemplo, cadenciam mais o jogo e priorizam o toque de bola.

Além disso, Vital gosta de buscar a bola no campo de defesa e, inclusive, participar da "saída de três", termo utilizado no futebol para definir os atletas que buscam a bola entre os zagueiros para iniciar a armação de jogadas do time.

Vale ressaltar que a saída de bola e as transições do Corinthians ficam mais rápidas com Vital em campo, pois o meia tem mais velocidade do que os seus concorrentes de posição.

Mateus Vital "ressurgiu" na vitória do Corinthians contra o Fortaleza por 3 a 1, de virada, na Arena Castelão, pela 12ª rodada do Brasileiro. O meia entrou como titular porque Carille poupou alguns jogadores e comandou a armação de jogadas do time.

Além de uma assistência a gol, segundo estatísticas do Footstats, Vital foi o jogador que mais criou chances de gol, com três assistências para finalizações, o segundo que mais cruzou bolas (5 vezes), além de ser o corintiano que mais sofreu faltas na partida (4). Foram 36 passes no jogo e somente quatro errados.

Depois disso, ele repetiu a boa atuação ao ser titular na vitória contra o Montevideo Wanderers por 2 a 1, também fora de casa. Nos últimos cinco jogos em que atuou, aliás, Vital foi titular em quatro. Contra Fortaleza e Montevideo ele foi tão bem que sequer foi substituído. Na última rodada do Brasileiro, na vitória do Timão contra o Botafogo por 2 a 0, voltou a ser titular e foi substituído no segundo tempo.

Mais Futebol