PUBLICIDADE
Topo

Copa 2018

Torcedor tenta beijo à força e repórter da CBF desabafa: "é um desrespeito"

reprodução
Imagem: reprodução

Do UOL, em São Paulo

29/06/2018 18h03

Classificação e Jogos

A repórter Laura Zago, da CBF TV, usou as redes sociais nesta sexta-feira (29) para desabafar e mostrar sua indignação com a atitude de um torcedor sérvio que tentou beijá-la à força enquanto trabalhava, em mais um caso de assédio a jornalistas que acontece durante esta edição da Copa do Mundo. Veja no vídeo abaixo.

Brasileiros precisam entender que assédio não é brincadeira
"Falácia", diz repórter do SporTV ao ter link comparado a assédio na Copa

“Eu não fui a primeira e, infelizmente, não serei a última a passar por esse tipo de constrangimento. Não é que aqui na Copa do Mundo isso esteja acontecendo, acontece sempre. Aconteceu comigo três vezes nesta Copa, mas já aconteceu com colegas de profissão no Brasil. Um foi brasileiro, esse do vídeo sérvio e o outro russo”, desabafou.

Outras duas repórteres brasileiras foram vítimas de assédio nos últimos dias. A jornalista russa Barbara Gerneza, do iG, e a repórter Julia Guimarães, da TV Globo. Leia abaixo o desabafo completo de Laura Zago:

"Eu não fui a primeira e, infelizmente, não serei a última a passar por esse tipo de constrangimento. Não é que aqui na Copa do Mundo isso esteja acontecendo, acontece sempre. Aconteceu comigo três vezes nesta Copa, mas já aconteceu com colegas de profissão no Brasil. Um foi brasileiro, esse do vídeo sérvio e o outro russo. Só sei que consegui desviar em todas as situações.

O que algumas pessoas precisam entender que isso não é engraçadinho, não é piada e não é uma brincadeira no momento de êxtase do jogo. É um desrespeito, eu estudei, me preparei, cheguei aqui na Rússia e não é pra ficar sendo desrepeitada durante o meu trabalho. Isso não tem graça. E achar isso normal é corroborar com uma ideia machista que mulheres estarão sempre à mercê desse tipo de atitude.

Gritar o nome do time, fazer festa durante o nosso trabalho faz parte do evento, é normal, natural e aceitável, o futebol tem esse momento de alegria e êxtase. E que bom! Mas há uma distância bem grande entre você fazer uma festa e ser assediada. Não é isso que vai me parar de correr atrás dos meus sonhos, mas precisamos falar sobre assédio."

Copa 2018