PUBLICIDADE
Topo

Seleção Brasileira

Torcida pede Veiga, mas Neymar, Romário e Neto também ficaram fora de Copa

Raphael Veiga não foi chamado por Tite para a seleção brasileira - Ettore Chiereguini/AGIF
Raphael Veiga não foi chamado por Tite para a seleção brasileira Imagem: Ettore Chiereguini/AGIF

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

13/05/2022 04h00

Classificação e Jogos

Tite convocou, na última quarta-feira (11), a seleção brasileira para os amistosos contra a Coreia do Sul e Japão, nos dias 2 e 6 de junho respectivamente. Raphael Veiga mais uma vez ficou fora da lista do treinador. No auge em ano de Copa do Mundo, o meia do Palmeiras é repetidamente pedido na equipe nacional, porém não recebe oportunidades.

A realidade vivida pelo armador de 26 anos não é inédita no futebol nacional. Por isso, a reportagem do UOL Esporte relembra casos de jogadores que viviam grandes momentos no ano da Copa, mas acabaram esquecidos nas convocações.

Talvez o primeiro caso deste tipo tenha ocorrido com Friedenreich, considerado a primeira grande estrela do futebol nacional, que não foi chamado para o Mundial de 1930, no Uruguai, por questões políticas. Ainda houve as ausências marcantes de Zico, em 1974 (Alemanha), e de Falcão em 1978 (Argentina), mas, para que reduzir a quantidade de injustiçados, a relação começará em 1982 (Espanha), para contemplar o período após a criação da CBF — antes chamada de CBD, e o nome foi alterado em setembro de 1979.

1982 - Leão, Raul Plassmann, Reinaldo e Adílio

Emerson Leão, ex-goleiro do Grêmio - Reprodução - Reprodução
Emerson Leão, então goleiro do Grêmio
Imagem: Reprodução

Dois goleiros viviam grandes momentos no período que antecedeu a Copa do Mundo de 1982. Emerson Leão, então no Grêmio, iria para sua quinta Copa do Mundo respaldado por grande experiência. Já Raul Plassmann também carregava ótima fase por Cruzeiro e Flamengo, mas ambos foram preteridos por Telê Santana, que optou pelo trio formado por Valdir Peres, Paulo Sérgio e Carlos.

Entre os jogadores de linha, duas ausências marcantes foram Reinaldo, que não foi chamado, segundo relatos da época, por suas posições políticas contrárias ao regime militar, e Adílio, preterido por Dirceu.

1986 - Leandro, Renato Gaúcho e Éder

Renato Gaúcho comemora gol em Grêmio x Hamburgo, no Mundial de Clubes de 1983 - Jurandir Souza da Silveira/Divulgação/Grêmio - Jurandir Souza da Silveira/Divulgação/Grêmio
Imagem: Jurandir Souza da Silveira/Divulgação/Grêmio

Um ato de indisciplina marcou a convocação para a Copa do Mundo de 1986. Renato Gaúcho e Leandro — dois dos melhores jogadores brasileiros em atividade na época — pularam o muro da concentração para ir a uma festa. Telê Santana optou por cortar ambos, chegou a voltar atrás com Leandro, mas o lateral deixou a seleção também em solidariedade ao colega.

Outro ausente do Mundial do México e que estava em boa fase e foi sacado por indisciplina foi Éder Aleixo, expulso em amistoso contra o Peru após acertar soco em um rival e acabou cortado do grupo.

1990 - Neto e Luiz Carlos Winck

Neto em ação com a camisa do Corinthians - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

Neto era o principal jogador do Corinthians e vivia grande fase técnica. No entanto, acabou esquecido pelo técnico Sebastião Lazaroni em 1990. O treinador disse, anos mais tarde, que a razão para ausência seria a condição física. Já Luiz Carlos Winck carregava histórico importante na seleção, mas sofreu uma lesão pouco antes da convocação para a Copa da Itália.

1994 - Evair, Cléber, Sampaio, Palhinha e Edmundo

Edmundo comemora gol do Palmeiras em 1993 - Ormuzd Alves/Folhapress - Ormuzd Alves/Folhapress
Imagem: Ormuzd Alves/Folhapress

O Brasil foi campeão em 1994, mas a lista de jogadores considerados injustiçados por Carlos Alberto Parreira é grande. Entre eles quatro atletas do Palmeiras, que havia conquistado o Brasileirão de 1993 e seria campeão novamente em 1994: Evair, Cléber, César Sampaio e Edmundo. Junto aos palmeirenses, Palhinha, do São Paulo, foi bastante utilizado nas Eliminatórias, mas acabou sobrando da lista final.

1998 - Marcelinho, Sylvinho e Amoroso

Marcelinho Carioca comemora gol pelo Corinthians contra o Cruzeiro em 1998 - Ormuzd Alves/Folhapress - Ormuzd Alves/Folhapress
Imagem: Ormuzd Alves/Folhapress

Marcelinho Carioca e Sylvinho eram estrelas do Corinthians que conquistou o Brasileirão ao fim de 1998. Mas, mesmo brilhando no ano da Copa, não foram lembrados por Zagallo. Já Amoroso, que seria artilheiro do Italiano na temporada 1998/1999, também não teve chance.

2002 - Antonio Carlos, Romário, Djalminha e Alex...

Romário e Felipão em treino da seleção brasileira em 2001 - Antônio Gaudério/Folhapress - Antônio Gaudério/Folhapress
Imagem: Antônio Gaudério/Folhapress

A exemplo de 1994, o Brasil ergueu a taça em 2002, mas teve muita gente boa que sobrou. O lateral/volante Zé Roberto, então no Bayer Leverkusen (ALE), se negou a assistir à Copa e define não ter sido lembrado por Luiz Felipe Scolari como maior mágoa de sua carreira. O lateral esquerdo Kléber, no Corinthians, e o meia Alex, no Palmeiras, viviam ótimas fases e sobraram — o palmeirense chegou a ser braço direito de Felipão no Alviverde. O zagueiro Antonio Carlos Zago chegou a ser utilizado em jogos das Eliminatórias, mas também foi esquecido.

Romário, porém, é o caso mais emblemático daquele Mundial. Depois de perder a Copa de 1998 devido a uma lesão, o Baixinho vivia bom momento e poderia coroar sua trajetória com a amarelinha. A torcida pedia, aos gritos, durante os jogos da seleção, para que ele fosse chamado. Mas, após pedir liberação da disputa da Copa América alegando a necessidade de fazer uma cirurgia nos olhos, e não fazer, partir para amistosos com o Vasco no México durante o torneio continental de seleções e ter se envolvido com uma aeromoça na concentração em Montevidéu, Scolari optou por não convocar o camisa 11.

2006 - Nilmar, Renato e Julio Baptista

Sobravam grandes nomes na seleção brasileira de 2006. Ainda assim, três jogadores cujos momentos eram positivos não foram lembrados por Carlos Alberto Parreira. O primeiro é Nilmar, que vinha do título do Brasileiro de 2005 e estava embalado no Corinthians. Além dele, Renato vinha com histórico recente na seleção e em boa fase no Sevilla, e Julio Batista tinha sido contratado pelo Real Madrid. Nenhum deles esteve no grupo na Alemanha.

2010 - Ronaldinho, Neymar, Ganso, André Santos e Adriano

Neymar e Ganso se abraçam depois de gol do Santos na final do Paulistão contra o Santo André - Ricardo Saibun/Santos FC - Ricardo Saibun/Santos FC
Imagem: Ricardo Saibun/Santos FC

André Santos, convocado para alguns jogos antes da Copa, Adriano Imperador, embalado pelo título do Brasileiro de 2009 com o Flamengo, apesar de já não estar no ápice, e Ronaldinho Gaúcho, líder de assistências no Italiano pelo Milan, não foram lembrados por Dunga em 2010.

Mas ninguém se sentiu mais injustiçado do que a dupla do Santos formada por Neymar e Paulo Henrique Ganso. Os Meninos da Vila que brilharam pelo Peixe simplesmente foram esquecidos na lista para a Copa da África do Sul.

2014 - Miranda, Lucas Moura, Robinho e Coutinho

Coutinho, na época em que atuava pelo Liverpool - John Powell/Liverpool FC via Getty Images - John Powell/Liverpool FC via Getty Images
Imagem: John Powell/Liverpool FC via Getty Images

Lucas Moura viveu seu melhor momento no Paris Saint-Germain antes da Copa do Mundo de 2014. Philippe Coutinho já brilhava com a camisa do Liverpool, Miranda foi campeão espanhol e vice-campeão da Liga dos Campeões pelo Atlético de Madri, e Robinho foi até chamado para alguns jogos na preparação, mas nenhum deles esteve na lista final de Felipão para o Mundial no Brasil.

2018 - Arthur e Luan

Embalados pelo título da Libertadores pelo Grêmio, em 2017, Arthur e Luan tinham chance de jogar a última Copa do Mundo. O meia, por exemplo, recusou ofertas e optou por permanecer no Brasil para ser "mais visto". Nem assim foi lembrado por Tite para ir à Rússia.

Seleção Brasileira