PUBLICIDADE
Topo

Copa 2018

Fifa diz que árbitros se "aproximam da perfeição" com o VAR

Árbitro Milorad Mazic marca penalidade contra a Colômbia, mas muda decisão após interferência do VAR - Getty Images
Árbitro Milorad Mazic marca penalidade contra a Colômbia, mas muda decisão após interferência do VAR
Imagem: Getty Images

Rodrigo Mattos

Do UOL, em Moscou (Rússia)

29/06/2018 09h44

Classificação e Jogos

O uso inédito do árbitro de vídeo em uma Copa do Mundo recebeu avaliação extremamente positiva da Fifa (Federação Internacional de Futebol e Associados). Nesta sexta-feira, um dia após o fim da fase de grupos da competição mais importante do calendário futebolístico, a entidade máxima do futebol tratou de ressaltar a nova tecnologia, bastante utilizada até então.

Simule resultados da última rodada e quem vai às oitavas
- Neymar S/A: a engrenagem por trás do maior jogador de futebol do Brasil
- De ídolo a homem de negócios, Ronaldo tem tudo a ver com a seleção atual

“O VAR [árbitro de vídeo] não significa perfeição, pode haver interpretação errada. Não é perfeição. É muito perto da perfeição, como vimos”, declarou o ex-árbitro e agora chefe do comitê dos árbitros, Pierluigi Collina.

De acordo com a Fifa, o VAR permitiu um índice de acerto próximo desta perfeição tão exaltada por Collina. O árbitro de vídeo permitiu o acerto de 99,3% das decisões desta primeira fase da competição na Rússia, superando o percentual médio de 95% calculado pela entidade.

A etapa de grupos da Copa do Mundo terminou com 335 consultas ao VAR, uma média de 6,9 por partida. Ao todo foram 14 decisões alteradas depois que o árbitro consultou o vídeo para esclarecer uma dúvida de uma marcação de campo; nesta conta, sete pênaltis acabaram anulados.

O árbitro de vídeo hoje faz parte do regulamento da Fifa para as grandes competições. Em março, a entidade oficializou o VAR nas regras do jogo, depois de aprovado o uso da tecnologia pela International Football Association Board (IFAB).

Copa 2018