PUBLICIDADE
Topo

Copa 2018

Ela morreu em menos de um minuto, diz irmã de torcedora ferida por taça

Tamara Maiochi morreu atingida por uma taça de cristal após vitória do Brasil - Reprodução
Tamara Maiochi morreu atingida por uma taça de cristal após vitória do Brasil Imagem: Reprodução

Adriano Wilkson

Do UOL, em São Paulo

29/06/2018 16h33

Classificação e Jogos

A contadora Tamara Maiochi morreu após se desequilibrar e cair por cima de uma taça de cristal enquanto comemorava a vitória do Brasil sobre a Sérvia na Copa do Mundo. O acidente aconteceu na última quarta-feira, em Itatiba, no interior de São Paulo. Michele Maiochi, irmã da torcedora, descreveu as circunstâncias do acidente, que está sendo investigado pela polícia. Ela descartou a hipótese de que um resgate mais rápido pudesse salvar a vítima.

“Minha irmã, por uma fatalidade, estava na casa de alguns amigos do trabalho para assistir ao jogo”, escreveu Michele à reportagem. “O jogo já havia terminado. Ela estava sentada em uma cadeira, segurando uma taça de cristal em uma das mãos e o celular na outra. Ao tentar se levantar, se desequilibrou, tentou apoiar um dos antebraços na mesa, mas caiu com a taça na mão, ferindo o pescoço. A taça atingiu milimetricamente a artéria principal que sai do coração e liga ao cérebro.”

A polícia ouviu testemunhas que reforçaram a hipótese de acidente. O delegado Tiago Vieira de Oliveira, da delegacia de Itatiba, pediu um exame toxicológico no corpo da vítima, e o resultado deve sair entre 15 e 20 dias. Tamara, natural de Conchal (SP), vivia em Itatiba há pouco mais de um ano. Ela era solteira e não tinha filhos, mas adorava seus três sobrinhos e seu afilhado.

Tudo aconteceu muito rápido, segundo as testemunhas. Amigos tentaram socorrer a contadora e chamaram uma ambulância, mas ela não resistiu. “O machucado que matou minha irmã foi um furinho pequeno perto do ossinho da clavícula, mas profundo. O cristal perfurou fundo. E o sangramento foi instantâneo. Muito rápido. Em menos de um minuto, ela já não tinha sinais vitais”, disse Michele, que voltava do enterro da irmã em sua cidade natal quando conversou com a reportagem.

Tamara - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Segundo o laudo do Instituto Médico Legal, a causa da morte foi choque hipovolêmico [hemorrágico], anemia, hemorragia aguda e ferimento no pescoço.

Além de Michele, Tamara tinha outro irmão – ela era a do meio. Faria 31 anos no dia 4 de agosto, no mesmo dia de sua mãe. Neste fim de semana, a família comemoraria o aniversário de Michele. Mesmo consternada pela perda da irmã, Michele acredita que o caso pode deixar um alerta para que acidentes assim não se repitam:

“Ela não estava em pé ou pulando com a taça na mão e caiu. Ela estava sentada, mas com as duas mãos ocupadas. Acho que [é importante] cautela sempre que estiver com qualquer copo ou garrafa de vidro nas mãos, mas principalmente, vidros finos como cristal. Se for um momento de comemoração, ou com várias pessoas circulando, opte por taças de acrílico, por exemplo.”

Segundo a família, a contadora era muito alegre e divertida. Em fotos publicadas em seu perfil no Facebook, ela dizia que estava treinando para aprimorar seu grande hobby, a fotografia. “Estava fazendo um curso e dias antes de morrer, contou no grupo da família que uma de suas fotos tinha sido escolhida para uma exposição, mas que ela ainda não sabia qual”, disse Michele. “Era uma pessoa amada por todos, doce, meiga, alegre, engraçada e sempre queria ajudar a todos.”

“Ninguém imagina que uma taça, que simboliza um momento feliz para muitas pessoas pode ser uma arma tão perigosa”, disse a irmã de Tamara.

Copa 2018