PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Piora na pandemia ameaça jogos da seleção nas eliminatórias

Gabriel Jesus e Firmino teriam dificuldades de jogar pela seleção pelas restrições - Lucas Figueiredo/CBF
Gabriel Jesus e Firmino teriam dificuldades de jogar pela seleção pelas restrições Imagem: Lucas Figueiredo/CBF
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

07/02/2021 04h00

Em novo comunicado, a Fifa determinou que clubes não são obrigados a liberar jogadores para seleções se eles forem afetados por restrições de viagens por conta do coronavírus. Essa realidade ameaça os jogos da seleção brasileira pelas eliminatórias em março porque há países onde jogam atletas nacionais envolvidos. A CBF monitora a situação dos países e espera um desenvolvimento do quadro.

As eliminatórias da Copa estavam ameaçadas no ano passado, mas a Fifa fez um esforço com os países para liberar os atletas. Com isso, ocorreram as primeiras rodadas.

Só que houve um recrudescimento da pandemia de coronavírus na Europa com aumento de restrições entre os países. A Alemanha, por exemplo, proibiu o Liverpool de jogar a Champions League no país contra o Red Bull Leipzig, agora em janeiro.

Nesta sexta, a Fifa renovou suas determinações sobre liberações de jogadores com exceções para a pandemia. Um clube não é obrigado a liberar um jogador se tiver uma previsão de quarentena de cinco dias no país desse time ou no local do jogo. A agremiação também se torna isenta de liberar se houver restrição de viagem para o país-sede do jogo.

Isso tudo se não houve uma exceção negociada pela Fifa. Por enquanto, a federação internacional não negociou com os países uma nova exceção para liberar atletas.

O Brasil tem um jogo marcado para 25 de março, na Colômbia, e outro, em seguida, diante da Argentina, no país. A CBF monitora a situação de todos os países onde há atletas: a Itália, a Inglaterra e a Alemanha têm restrições pesadas e, hoje, não seria possível contar com os atletas. Há abertura para convocações de atletas de Espanha e França.

A confederação ainda vai esperar para saber como vai agir a Fifa. A cúpula da entidade, por sinal, está no Qatar, onde terá encontros com o presidente da federação, Gianni Infantino. Há um temor entre dirigentes da CBF de que a situação atual torne inviável convocações de determinados países.

Mais do que isso, a Colômbia também tem restrições de viagens neste momento. E, sem os atletas de fora, o técnico Tite poderia ser obrigado a chamar mais jogadores do Brasil, provocando problemas com os clubes. Todo o cenário é complexo e há cerca de um mês para ser resolvido já que a convocação teria de acontecer 15 dias antes, por volta de 10 de março.

Rodrigo Mattos