PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

Cinco motivos que tornam Brasileiro-2020 o mais imprevisível em uma década

Atlético-MG empata com o Ceará e segue na liderança do Campeonato Brasileiro - Pedro Souza / Agência Galo / Atlético / Fotos Públicas
Atlético-MG empata com o Ceará e segue na liderança do Campeonato Brasileiro Imagem: Pedro Souza / Agência Galo / Atlético / Fotos Públicas
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

23/11/2020 04h00

A rodada refletiu o quão instável está o Brasileiro-2020 com tropeços dos seis dos oito primeiros colocados. Como o saldo do final de semana, o Atlético-MG ficou como líder com apenas cinco pontos acima do oitavo colocado Grêmio. Todos os oito primeiros têm chances reais de título. Esse quadro de momento configura a Série A mais imprevisível em mais de uma década.

Foi apenas no longínquo Brasileiro de 2009 que o Flamengo virou um campeonato em que era apenas o 11o colocado na 22a rodada, com 11 pontos a menos do que o então líder Palmeiras. Aquela arrancada foi uma exceção em campeonatos que costumam ter seus campeões definidos no final do primeiro turno ou no inicio da segunda etapa da competição.

Na atual temporada, a imprevisibilidade voltou com esse grande número de times na disputa. Veja abaixo os motivos.

Oito times na briga pelo título

O histórico do Brasileiro indica que há de fato oito times disputando a taça com chances reais, não apenas matemáticas. São eles: Atlético-MG, Flamengo, São Paulo, Internacional, Fluminense, Palmeiras, Santos e Grêmio.

Por que? A diferença entre o Galo (1o) e o tricolor gaúcho (8o) é de apenas cinco pontos. Neste estágio da Série A, é a menor distância entre o líder e o oitavo em todas as edições da Série A de pontos corridos com 20 times.

Distância pequena do líder

A diferença de cinco pontos do Atlético-MG para o Grêmio pode perfeitamente ser superada de acordo com histórico do Brasileiro. O Palmeiras ultrapassou o São Paulo, em 2018, após estar seis pontos atrás do rival na 22a rodada. Em 2019, o Flamengo tirou os 11 pontos do então líder Palmeiras. Em 2018, o São Paulo superou o Grêmio que estava oito ponto na frente no mesmo estágio do campeonato.

Galo é pior líder na 22a rodada

Em todas as edições do Brasileiro de pontos corridos, o Atlético-MG tem o pior desempenho de um líder na 22a rodada, com 39 pontos, igualado com a pontuação do vice-líder Flamengo. Até esta edição um time ponteiro da Série A tinha pelo menos 41 pontos neste momento do campeonato, como foram os casos de Palmeiras (2009) e Fluminense (2010).

Jogos atrasados

Ao contrário de Brasileiros anteriores, a tabela tem seis jogos atrasados ainda não disputados por conta de adiamentos. Só o São Paulo tem três partidas por realizar, sendo que a primeira ocorrerá neste meio de semana, diante do Ceará. Se vencer esses jogos, chegaria a 46 pontos e abriria seis pontos do segundo colocado.

Entre os oito primeiros, Palmeiras e Grêmio também devem partidas. E o time gremista ainda deixará de realizar seu confronto com o Flamengo no final de semana, que será remarcado para data indefinida. Isso deixa uma lacuna para saber o estágio real do Brasileiro.

Covid, maratona e desfalques

A temporada é incomum com uma quantidade maior de jogos empilhados uns nos outros por conta da pandemia de coronavírus que paralisou a temporada por três meses. Isso já gera maior número de desfalques por contusões de jogadores.

Além disso, os times têm enfrentado surtos de Covid como seria previsível antes do campeonato, apesar do otimismo da CBF. Entre os oito times na disputa pelo título, cinco já enfrentaram surtos, Atlético-MG, Flamengo, Fluminense, Palmeiras e Santos. Não há como prever se haverá mais surtos nos outros times, ou mais casos isolados entre essas equipes.

Rodrigo Mattos