PUBLICIDADE
Topo

Renato Mauricio Prado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

RMP: Fla sonha com atacantes, mas seu pesadelo está na zaga

Jogadores do Flamengo comemoram gol de Lázaro contra a Portuguesa-RJ - Jorge Rodrigues/AGIF
Jogadores do Flamengo comemoram gol de Lázaro contra a Portuguesa-RJ Imagem: Jorge Rodrigues/AGIF
Conteúdo exclusivo para assinantes
Renato Mauricio Prado

Renato Mauricio Prado é jornalista e trabalhou no Globo, Placar, Extra, Rádio Globo, CBN, Rede Globo, SporTV e Fox Sports. Assina atualmente uma coluna diária no Jornal do Brasil. A primeira Copa que cobriu in loco foi a da Argentina, em 1978.

27/01/2022 04h00

A estreia do Flamengo no Campeonato Carioca foi com vitória (2 a 1 sobre a Portuguesa), mas a apresentação do time sub-20, que fará os três primeiros jogos até a escalação dos titulares, no Fla-Flu, reforçou a impressão de que o elenco tem uma deficiência grave, que deveria ser a principal preocupação de Paulo Sousa e sua comissão técnica, bem como dos dirigentes do futebol: a falta de bons zagueiros.

Com a iminente venda de Michael, os cofres rubro-negros devem receber cerca de R$ 46 milhões e os nomes mais especulados na Gávea e no Ninho do Urubu são de atacantes: Éverton Cebolinha, Marinho, Soteldo, Barco etc. Parece lógico, já que está saindo outro "avançado", após a volta de Kennedy para o Chelsea. Mas, de fato, o ataque é o setor mais carente do elenco? Acho que não.

Bem ou mal, o grupo ainda conta com vários jogadores ofensivos de qualidade, como Gabigol, Pedro, Bruno Henrique, Éverton Ribeiro, Arrascaeta e Vitinho - além de jovens promessas como Lázaro (autor de dois gols e o melhor em campo na Ilha do Governador) e Matheus França. Na defesa, ao contrário, o quadro é periclitante.

São apenas três os zagueiros em condições de jogo no inicio desta temporada: David Luiz, Gustavo Henrique e Léo Pereira - os dois últimos a anos-luz de passar a segurança desejada, após duas temporadas decepcionantes. De Rodrigo Caio, nem falo, tão precárias são suas condições físicas. Não há ainda nem sequer previsão de volta aos treinos. Precisa dizer mais?

Noga e Cleiton, que formaram a zaga central da equipe de jovens que estreou no estadual, e poderiam ser uma esperança, foram muito mal. Principalmente o primeiro, que já chegou a atuar algumas vezes entre os profissionais, mas se mostrou perdido em campo, indigno da faixa de capitão que carregava.

Errou praticamente tudo e não teve nem sequer pudor em disparar bicões para o alto, recurso típico dos zagueiros botinudos. Cleiton, seu companheiro de apenas 18 anos, pode ter potencial, mas sua inexperiência é evidente. Ele também andou chutando bolas na lua, além de falhar no gol de cabeça da Portuguesa.

Por tudo que se sabe das ideias do novo Mister, o Flamengo passará a jogar com três zagueiros. Especula-se que Filipe Luís seria o terceiro, pela esquerda. Como David Luiz, certamente, será titular, já serão dois integrantes da zaga com mais de 35 anos e pouca velocidade para disputar corridas contra atacantes mais jovens, notadamente, nos contra-ataques. Se o terceiro for Gustavo Henrique, outro beque lento, coitados dos volantes que terão que fazer a cobertura.

O elenco rubro-negro, que já foi considerado o melhor do continente, ainda é dos mais fortes. Mas está desequilibrado. E senão corrigir com rapidez suas graves deficiências no setor defensivo correrá sério risco de acabar mais uma temporada de mãos abanando.