PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

Como está a situação judicial de CR7 em caso de suposto estupro nos EUA?

Cristiano Ronaldo enfrenta uma acusação de estupro na Justiça dos EUA - FRANCK FIFE / AFP
Cristiano Ronaldo enfrenta uma acusação de estupro na Justiça dos EUA Imagem: FRANCK FIFE / AFP
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

28/10/2020 04h00

A contratação de Robinho pelo Santos e a pressão popular que levou o clube a desistir do negócio devido à condenação do atacante em primeira instância por estupro na Itália fizeram muita gente se perguntar: como está a situação judicial de Cristiano Ronaldo?

Para quem não lembra, o camisa 7 da Juventus também foi acusado de ter cometido esse crime lá no começo da carreira. Mas o caso ficou adormecido durante quase uma década e só se tornou público há alguns anos.

Em julho do ano passado, a ação que a professora e modelo norte-americana Katheryn Mayorga movia contra o craque em um tribunal estadual de Nevada chegou a ser encerrada. Na época, a promotoria afirmou que a acusação não tinha mais como ser privada.

Só que o caso foi reaberto mais uma vez. Há um mês, uma juíza norte-americana emitiu uma sentença anunciando que pretende decidir se a suposta vítima de estupro tinha condições psicológicas de aceitar o acordo que lhe foi oferecido na época em que a agressão sexual teria acontecido.

Mayorga afirma que foi atacada por CR7 em 2009, quando ele ainda atuava no Manchester United e estava de férias em um resort em Las Vegas (EUA). De acordo com a acusação, o atacante estuprou a norte-americana depois de ela se recusar a praticar sexo oral nele e a penetrou enquanto ela gritava "não, não, não".

A acusação não se tornou púbica de imediato porque, seis meses depois do ocorrido, a professora e modelo recebeu US$ 375 mil (R$ 2,1 milhão) dos advogados do jogador e assinou um acordo em que se comprometia a não levar adiante e nem divulgar sua denúncia.

Apesar de sempre ter negado o estupro e defendido a tese de que a relação entre eles foi consensual, Ronaldo já admitiu que fez esse pagamento como uma forma de preservar sua imagem.

O caso só ganhou relevância global em 2018, quando uma nova equipe jurídica representando Mayorga entrou com uma ação alegando que a cliente não tinha condições psicológicas de assinar o acordo na época por estar fragilizada emocionalmente pela suposta agressão.

Com isso, a polícia norte-americana também abriu um inquérito para apurar o caso e investigar se o cinco vezes melhor jogador de futebol do planeta cometeu ou não estupro contra a professora e modelo.

Ainda se recuperando de Covid-19 e sem treinar com seus companheiros há duas semanas, Cristiano Ronaldo vai desfalcar a Juventus na partida contra o Barcelona, hoje, em Turim, pela segunda rodada da Liga dos Campeões da Europa, e adiar o esperado reencontro com Lionel Messi para o dia 8 de dezembro, quando as duas equipes se enfrentam outra vez.

Os favoritos do Grupo G estrearam com vitória na competição mais importante da temporada. Enquanto a Juve fez 2 a 0 no Dínamo de Kiev, da Ucrânia, o Barça meteu logo 5 a 1 nos húngaros do Ferencváros.

A não ser que exista alguma mudança de calendário nos próximos meses em virtude da segunda onda da pandemia, o sucessor do Bayern de Munique no posto de campeão europeu será conhecido no dia 29 de maio, no estádio Olímpico Atatürk, em Istambul (Turquia).