PUBLICIDADE
Topo

Perrone

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Mesmo sem superar atrito entre cartolas, criação da liga de clubes avança

Conteúdo exclusivo para assinantes
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

17/11/2021 08h24

Apesar de o principal atrito que travou o projeto não ter sido superado, a criação de uma liga nacional de futebol avançou.

Desde que os presidentes de Athletico-PR, Mario Celso Petraglia, e Guilherme Bellintani, do Bahia, se desentenderam, em julho, não houve mais uma reunião envolvendo todos os clubes das séries A e B.

Porém, conversas separadas entre dirigentes têm acontecido e os avanços na direção de formatar a estrutura, o funcionamento e o estatuto da nova entidade têm acontecido.

A ideia tem sido tocar o projeto sem alarde, evitando que o eventual debate sobre o tema numa reunião geral ou em público neste momento possa de novo colocar os dois desafetos em rota de colisão.

Segundo apurou o blog, Petraglia ainda mostra descontentamento com a forma com que as decisões estão sendo tomadas, mas isso não tem impedido os avanços.

Uma das motivações para o entrevero entre os dois cartolas foi o fato de o presidente do Furacão questionar a liderança do colega no processo, conforme apurou o blog.

Além da discussão entre os dois presidentes, chegou a existir incerteza sobre a Liga quando o Flamengo se movimentou para ter público em seus jogos contrariando os demais clubes, que defendiam que o retorno da torcida acontecesse ao mesmo tempo para todos.

Atualmente, o discurso de quem está na linha de frente da criação da liga é de que os dirigentes estão alinhandos. Petraglia é a exceção.