PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Mauro Cezar Pereira

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Real Madrid deve ter um pacto com algo. E Guardiola paga caro, literalmente

Rodrygo faz dois gols pelo Real Madrid - Angel Martinez/Getty Images
Rodrygo faz dois gols pelo Real Madrid Imagem: Angel Martinez/Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

04/05/2022 19h12

Quando alguém consegue algo inesperado, inimaginável, aparentemente impossível, dizem que tem um pacto com uma entidade superior, poderosa. É o Real Madrid, que consegue eliminar três poderosos adversários na Liga dos Campeões sendo inferior na maior parte do tempo em cada um dos duelos em um par de jogos cada.

Foi assim no mata-mata com o Paris Saint-Germain, que dominou o jogo inteiro em casa, venceu por 1 a 0 quando merecia mais, abriu o placar na Espanha e em 17 minutos ruiu, sofreu três gols e acabou eliminado. Mesmo tendo Mbappé, Messi e Neymar em campo, além de suas outras grandes estrelas.

Como incrível foi a reação diante do Chelsea, que chegou a Madri precisando de três gols, os fez e levou um gol quando parecia sem forças. Foi à prorrogação e superou o atual campeão europeu, nitidamente renascendo das cinzas, recuperando as forças sabe-se lá como e de onde.

O roteiro se repetiu com algumas variações no incrível duelo contra o Manchester City. Derrota na Inglaterra por 4 a 3 e o placar negativo de 0 a 1 até o minuto derradeiro quando Rodrygo empatou e ele mesmo viraria nos acréscimos. Como? De onde saiu aquilo? E no tempo extra, Benzema assinalou, de pênalti, o tento da ida à final.

Champions League sem Pep Guardiola na final, eliminado de maneira incrível e tendo em campo o mais caro dos jogadores nos dois elencos. Jack Grealish custou cerca de 100 milhões de libras, na época perto de R$ 730 milhões. Reserva, quando em campo teve a chance de decidir e não o fez. Por que pagar tanto por ele? Na noite da eliminação, o investimento saiu mais caro.

Siga Mauro Cezar no Twitter

Siga Mauro Cezar no Instagram

Siga Mauro Cezar no Facebook

Inscreva-se no Canal Mauro Cezar no YouTube