PUBLICIDADE
Topo

Mauro Cezar Pereira

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

O que há de pior na cartolagem do futebol perde um de seus maiores inimigos

Andrew Jennings em audiência pública - FOLHAPRESS
Andrew Jennings em audiência pública Imagem: FOLHAPRESS
Conteúdo exclusivo para assinantes
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

10/01/2022 20h00

O repórter Andrew Jennings foi a pedra na chuteira da cartolagem do futebol mundial antes mesmo do FBI. Seus livros surgiram dando verdadeiros choques de realidade em quem imaginava o nosso esporte passando incólume diante de personagens desonestos que o vampirizaram por décadas.

O escocês os denunciou, escancarou os golpes e jogadas fora das quatro linhas com riqueza de detalhes em seus livros. "Foul - A história secreta da Fifa", no Brasil lançado como "Jogo Sujo - o Mundo Secreto da Fifa: Compra de votos e escândalo de ingressos", relata casos e nomeia personagens.

Tudo com riqueza de detalhes que não deixa dúvidas. Jennings esteve na contramão da mídia bajuladora de cartolas, aquela que optou pela parceria com quem faz o mal (no esporte) para se dar bem. Sua obra, consistente, segue viva após a morte do jornalista no sábado passado.

Em 2015, na CPI do Futebol, Andrew Jennings afirmou que Fifa e CBF são "entidades podres". Falava com segurança, clareza e domínio do tema quando apontava o que há de pior nos bastidores do futebol mundial. Não por acaso a entidade máxima do esporte chegou a lhe negar credenciamento.

Em duas oportunidades tive a chance de participar, como entrevistador, de edições do "Bola da Vez" quando Jennings esteve no centro do programa. Na primeira, em 2010, perguntei a ele sobre João Havelange, poderosos dirigente que por décadas foi paparicado por boa parte da mídia brasileira.

A resposta? Veja no vídeo abaixo.