PUBLICIDADE
Topo

Diniz tem promessa de continuidade de candidato à presidência do São Paulo

Julio Casares, candidato à presidência do São Paulo, garante Diniz em 2021 - Rubens Chiri/saopaulofc.net
Julio Casares, candidato à presidência do São Paulo, garante Diniz em 2021 Imagem: Rubens Chiri/saopaulofc.net
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

14/05/2020 16h31

Qual será o futuro de Fernando Diniz no São Paulo depois da eleição para presidente? O técnico só permanecerá caso ganhe um título importante? Ou está sob a ameaça da sombra que representa uma possível volta de Rogério Ceni? Candidato à presidência, Júlio Casares assegura que o atual treinador seguirá no comando do time, caso ele vença o pleito.

"Acredito no Fernando e por mim, se eu for presidente do São Paulo, continua. Ele está fazendo um bom trabalho e não tem dúvida de que eu quero que siga o trabalho do Fernando. O conceito, a filosofia do jogo... Eu o conheço há muito tempo. A questão do Fernando Diniz, no meu caso, é líquido e certo que ele continue", disse Casares ao blog.

Sobre Ceni, ídolo maior do clube e que está no Fortaleza, sabe-se que é quase impossível vê-lo de volta ao São Paulo enquanto Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, estiver na presidência. Foi na gestão dele que o ex-goleiro substituiu Ricardo Gomes no começo de 2017. Acabou demitido após série de seis jogos de vitória. Em seis meses, teve 49,5% de aproveitamento em 37 jogos, dos quais venceu 14, empatou 13 e perdeu dez.

"Rogério Ceni é um técnico que tem a marca do São Paulo, é meu amigo, tem relações comigo. Claro que pode um dia voltar", acrescentou o candidato nas eleições que acontecerão entre novembro e dezembro. Na primeira etapa serão eleitos 100 conselheiros que no segundo estágio se reunirão aos 160 vitalícios para eleger o presidente. As datas ainda não foram definidas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL