PUBLICIDADE
Topo

Libertadores - 2019

Libertadores tem veto de violência na TV, mas usa imagens para punir clubes

Lucas Uebel/Getty Images
Imagem: Lucas Uebel/Getty Images

Rodrigo Mattos

Do UOL, no Rio de Janeiro

23/01/2019 16h47

As transmissões de Libertadores vão evitar imagens de violência na arquibancada a partir da edição de 2019. Em compensação, haverá um centro de controle dos vídeos que ajudará a identificação de casos de indisciplina nas partidas, como conflitos entre torcedores e casos de racismo. 

Essas medidas estão no novo plano de transmissão da Libertadores e da Sul-Americana anunciados pela Conmebol nesta quarta-feira. A partir de 2019, a Conmebol passará a ter controle sobre as imagens da Libertadores nas televisões, repassando as para as redes que tiverem direitos de transmissões.

E não serão repassadas imagens que possam danificar a imagem da competição, segundo o diretor de competições da Conmebol, Frederico Nantes. Entre as diretrizes, isso está descrito como garantir a "imparcialidade" e evitar "a edição tendenciosa de imagens".

"Isso não é nenhuma crítica a nenhuma emissora específica, especialmente não à Fox porque ela também contrata empresas. O que podia acontecer é que em determinado momento, o diretor de câmera ou cameramen, se acontecia um problema na arquibancada dava um enfoque mais para isso do que para ninguém. Isso não seria bom nem para Fox, nem para Conmebol. O que todo mundo quer é valorizar o espetáculo. Não estou dizendo que tem que esconder ninguém, utilizar da melhor forma possível, a importância da mídia. Para divulgar e promover as competições", explicou o diretor de competições da Conmebol, Frederico Nantes.", explicou Nantes.

Questionado se isso poderia prejudicar punições de casos de violência e racismo, por exemplo, Nantes afirmou que a Conmebol terá ainda mais possibilidades de fazer sanções nestes casos porque terá o controle das imagens. A partir deste ano, foi criado um centro de controle que ficará na Argentina e poderá identificar casos incidentes para avisar os oficiais de estádio. 

"No início de março, vamos ter um centro de comando e controle onde vamos acompanhar todos os jogos da nossa competição. Teremos uma equipe para analisar as imagens, e ajudando os oficiais"; contou Nantes. "O que não significa que todas as imagens têm que ser mostradas na televisão."

Nantes reconheceu que a Conmebol tem sido bastante criticada por clubes e imprensa por falta de dureza nos casos de racismo e violência. "Não cumpriu o regulamento: tem que assumir responsabilidades. Vamos ter um acesso muito mais fácil sendo donos das imagens", contou.

Ele disse que a sala de controle não foi criada especificamente para os casos de violência, mas para ter uma imagem abrangente da competição. Poderá identificar também casos de infração aos direitos de publicidade.