PUBLICIDADE
Topo

Saque e Voleio

Circuito volta à ativa, e Bia Haddad cai para o último lugar do ranking

Divulgação/Wilson
Imagem: Divulgação/Wilson
Alexandre Cossenza

Alexandre Cossenza é bacharel em direito e largou os tribunais para abraçar o jornalismo. Passou por redações grandes, cobre tênis profissionalmente há oito anos e também escreve sobre futebol. Já bateu bola com Nadal e Federer e acredita que é possível apreciar ambos em medidas iguais. Contato: ac@cossenza.org

Colunista do UOL

10/08/2020 04h00

O circuito mundial retornou na última semana, com o WTA de Palermo, na Itália, e agora, nesta primeira segunda-feira após o torneio, o ranking feminino é finalmente "descongelado", voltando a somar os pontos conquistados em quadra. A reativação da lista, contudo, também serviu para tirar pontos da brasileira Beatriz Haddad Maia, de 24 anos, que já foi número 58 do mundo, mas agora aparece apenas como a 1.339ª, ocupando a última posição da lista (confira aqui).

A paulista foi suspensa por dez meses, considerada culpada em um caso de doping, e sua punição terminava em maio. Como o ranking foi congelado devido à pandemia do novo coronavírus ainda em março deste ano, a WTA, os pontos que Bia perderia de março até maio não foram descontados. Agora, com a lista ativa novamente, essa pontuação foi finalmente excluída. Dos 199 pontos que mantinham a paulista como número 286 do mundo até a semana passada, caíram 197. Ela fica apenas com os dois pontos que somou em Roland Garros/2019, ocupando agora o último lugar no ranking mundial - o regulamento da WTA diz que um tenista precisa disputar pelo menos três torneios antes de aparecer na lista.

A suspensão por doping não impediu, contudo, que a brasileira conseguisse novos patrocinadores. Antes de embarcar para Portugal, onde treinará por duas semanas graças a uma parceria da Confederação Brasileira de Tênis (CBT) com o Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Bia assinou com dois novos patrocinadores: a fabricante da material esportivo Wilson e a Angá Asset Management, que também já patrocina Thomaz Bellucci, Bruno Soares e Thiago Monteiro. Os três tenistas, assim como Bia Haddad, são agenciados pelo ex-tenista Márcio Torres.

Bia patrocínio - Divulgação/Wilson - Divulgação/Wilson
Imagem: Divulgação/Wilson
Em Portugal, ainda será necessário respeitar a quarentena exigida pela União Europeia e depois disso será possível planejar um novo calendário. Sem figurar no ranking, a brasileira só poderá jogar torneios pequenos, e sua escalada no circuito será trabalhosa.

"Acredito que na semana do dia 24 ou na do dia 31 a gente já possa jogar torneios porque vai ter passado a nossa quarentena. Tomara que sim. Acho que agora é voltar firme, com sangue no olho, fazendo eu melhor, que é o que eu sempre busquei fazer. Jogar meu jogo sem expectativa de resultado, de ranking, de pontos. Meu ranking vai ser atualizado por causa da suspensão, então eu vou cair um pouco mais e ver como vou poder me organizar", disse a paulista ainda antes de embarcar.

Coisas que eu acho que acho:

- Nos últimos meses, Bia deu entrevistas dizendo que provou sua inocência ou que foi inocentada no caso de doping. Isso causou certa confusão entre os fãs de tênis, então vale lembrar/esclarecer: Bia não foi inocentada; foi suspensa por dez meses. Ela conseguiu, sim, convencer o júri que não teve a intenção de ingerir a substância proibida nem de melhorar seu rendimento. A brasileira, contudo, foi considerada culpada (e mais culpada ainda que Marcelo Demoliner, Thomaz Bellucci e Igor Marcondes, suspensos por doping em casos de manipulação de suplementos) e punida. Isso não é ser inocente.

- O princípio mais básico do código antidoping diz que o atleta é responsável por tudo que ingere. Além disso, a ITF publicou seguidos avisos recomendando atletas a não ingerirem suplementos produzidos em farmácias de manipulação na América do Sul. Mesmo depois dos seguidos casos envolvendo brasileiros, Bia seguiu usando esse tipo de recurso. "A Jogadora tem mais culpa do que cada um desses jogadores porque teve maior aviso especialmente no que diz respeito aos perigos de tais suplementos feitos em farmácias de manipulação", diz a sentença, em tradução livre. Sua sentença, aliás, foi a maior da história (na época) do tênis em um caso de manipulação de suplemento.

- Importante saber: segundo o jornalista Demétrio Vecchioli, da coluna Olhar Olímpico, o atual presidente da CBT, Rafael Westrupp, sairá candidato à presidência do COB nas próximas eleições. O período do registro de candidaturas começa hoje e vai até 8 de setembro. Leia mais aqui.

- A CBT publicou no dia 6 deste mês, na Folha de S. Paulo, o edital convocando para sua eleição presidencial. Interessados têm até hoje (dia 10) para registrarem suas chapas. A votação acontece já no dia 15 deste mês, então o período para quem planejar fazer campanha é um tanto curto.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.