PUBLICIDADE
Topo

Emanuel entra na disputa pela presidência do COB

Emanuel Rego - FIVB
Emanuel Rego Imagem: FIVB
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

07/08/2020 12h00

O campeão olímpico Emanuel Rego é a nova peça no complexo tabuleiro eleitoral do Comitê Olímpico do Brasil (COB). O ex-jogador de vôlei de praia saiu da Secretaria Especial do Esporte, demitido por ser marido de uma senadora de oposição, diretamente para a campanha visando a eleição de novembro. Deverá ser ele ou o jovem presidente da Confederação Brasileira de Tênis, Rafael Westrupp, de 40 anos, a "terceira via" do pleito. Sempre cotado, o velejador e medalhista olímpico Lars Grael deixou a Globo na semana passada e nada mais o impede de entrar no jogo. O período de registro de candidaturas começa na segunda (10) e vai até 8 de setembro.

Paulo Wanderley nega publicamente que já tenha definido que será candidato à reeleição, mas está em plena campanha. Por enquanto, é favorito. O advogado Alberto Murray anunciou em dezembro do ano passado que concorreria ao cargo, mas parece ter queimado a largada. É praticamente unânime a sensação de que sua candidatura desidratou. O Olhar Olímpico ouviu de quatro pessoas a mesma expressão: o barco dele está furado.

Têm direito a voto na eleição presidencial do COB 12 atletas, 35 confederações e os dois membros brasileiros do Comitê Olímpico Internacional (COI): o ex-jogador de vôlei Bernard Rajzman, prata em Los Angeles-1984, e o atual presidente do Comitê Paraolímpico Internacional (IPC), Andrew Parsons. A eleição é por ondas, como a escolha das sedes dos Jogos Olímpicos, com os candidatos menos votados sendo eliminados até que alguém tenha maioria (25 votos) e seja eleito.

Se esses 49 eleitores foram divididos em grupos políticos, Emanuel se encaixa no dos atletas. Ele é um dos membros da Comissão de Atletas do COB (CACOB), que se comprometeram a votarem unidos. O candidato escolhido pelos atletas terá todos os 12 votos. Mas o campeão olímpico já foi avisado que o fato de ser um ex-atleta não faz dele favorito a ser o escolhido pelo grupo. Emanuel está empenhado, a ponto de entregar suas redes sociais a um profissional, com direito à criação de uma identidade gráfica e homenagens. Coisa de candidato em véspera de eleição. Suas chances eleitorais, de qualquer forma, são reduzidas.

Ele primeiro precisaria convencer outros dois membros da assembleia a endossarem sua candidatura até 8 de setembro, o que os atletas não parecem dispostos a fazer. Depois, precisa convencer ao menos 11 presidentes de confederação a elegerem um ex-atleta presidente do COB, algo que hoje é improvável. Para os cartolas, é preferível qualquer cartola a um atleta. E há ainda o fator político. Emanuel tanto é associado a uma senadora socialista (é marido da ex-jogadora Leila, do PSB), quanto ao bolsonarismo (foi secretário de esporte de alto rendimento por um ano).

Emanuel chegou a defender uma chapa 100% de atletas com Lars Grael, mas foi convencido que numa disputa atletas x cartolas a vitória dos presidentes de confederações é certa. Eles são maioria, afinal. Lars chegou a tentar concorrer contra Nuzman no passado e é uma espécie de eminência parda no esporte. Mas, até sexta-feira passada (31) ele estava fora da eleição, trabalhando como consultor da Rede Globo. Mas seu contrato estava atrelado à Olimpíada, onde ele seria comentarista, e não foi renovado. Por isso, Lars está de volta no jogo, mas ele só entra para ganhar.

Tiago Camilo, presidente da Comissão de Atletas, é um dos poucos apoiadores que restam no barco de Murray, que irritou os atletas (e também presidentes de confederação) com a campanha antecipada, mais falando do que ouvindo. Já há, entre os atletas, quem coloque Murray como última opção de voto. Até porque seu candidato a vice, Mauro Silva, do boxe, votou contra o aumento no número de atletas na assembleia. Além disso, ele é visto como inexperiente.

Paulo Wanderley conseguiu reverter em parte as fortes críticas e ele por dois fatos consecutivos no final do ano passado, ambos relevados pelo Olhar Olímpico. Uma auditoria secreta em contratos de tecnologia da informação firmados com empresas de empresas do Espírito Santo, onde o ex-dirigente do judô fez carreira política, e a tentativa abrupta de mudar o estatuto. Os dois fatos fizeram Paulo Wanderley ganhar forte rejeição dos atletas e da ala de dirigentes mais jovens. Mas o tempo passou e essa oposição esmoreceu.

Ele tem dito a interlocutores que não tem mais idade para perder eleição, que só entra para ganhar, ainda que sua candidatura não seja dúvida na cabeça de ninguém. O problema é que seu jeito intempestivo também tem incomodado. Numa reunião com as confederações que devem votar em bloco, teria dito que o presidente da confederação de ciclismo, José Luiz Vasconcelos, não poderia opinar porque sua confederação "não dá resultados". As arestas depois foram aparadas.

Atual vice-presidente, Marco La Porta teria grandes chances de ser eleito se tivesse se descompatibilizado a tempo de poder concorrer a presidente, em março, a 120 dias da Olimpíada (até então mantida para 2020). Mas, para isso, teria que ter aberto mão de ser o chefe de missão do Brasil em Tóquio. Não o fez e, quando as regras da eleição foram decididas, mesmo com a Olimpíada suspensa, o COB entendeu que ele não pode concorrer a presidente.

La Porta, contudo, não é carta totalmente fora do baralho: Paulo Wanderley pode renunciar até 8 de setembro, e aí seu vice seria candidato à "reeleição" como presidente. Mas, o militar quer ser vice por mais quatro anos para se eleger presidente em 2024. Quem o apoia nessa empreitada também apoia Paulo Wanderley para presidente agora.

Não há um plano C porque, ao longo dos últimos anos, nenhum dirigente se destacou como líder natural dos seus pares (como era Paulo Wanderley ao ser escolhido vice de Carlos Arthur Nuzman). Hoje, o único que toparia participar da eleição é Rafael Westrupp, em primeiro mandato como presidente da confederação de tênis. Ele deixou o cargo que tinha no Conselho de Administração do COB a tempo de poder participar da eleição do COB como candidato a presidente ou vice. Publicamente, ele nega esse interesse. Diz que seus planos são na política internacional do tênis. Nos bastidores, já ligou para boa parte dos eleitores do COB.

Westrupp parece ser a única real ameaça à reeleição de Paulo Wanderley. Ele é membro do grupo de presidentes de confederação que está unido e, ao mesmo tempo, tem entrada com os presidentes "cabeças pretas" — aqueles em que o efeito do tempo ainda não os deixou calvos ou grisalhos. Esses seriam mais identificados com Sami Arap, ex-presidente do rúgbi, que retirou sua candidatura. Hoje, parecem divididos.

O dirigente do tênis ainda tem a seu favor o fato de sua possível candidatura não ter um vice. Isso abre possibilidade para ele acolher Emanuel e atrair os votos dos atletas, tese que circula como especulação entre os votantes — o Olhar Olímpico não conseguiu confirmar se há essa conversa. Também circula a possibilidade de uma ex-atleta candidata a vice chegar como salvação a uma das chapas. Todos os candidatos fizeram consultas.

Antes de falar publicamente sobre sua candidatura, Westrupp decidiu assegurar seu futuro ou de seu grupo político no tênis, reelegendo-se na CBT. O catarinense apresentou na terça (4) um novo estatuto da CBT e, na quinta (6) publicou o edital de convocação das eleições. As chapas precisam ser registradas até segunda-feira (10), apenas. A eleição, de forma virtual, acontecerá na sexta (15), com cada eleitor - as federações e 13 atletas - anunciando seu voto em voz alta em uma chamada de vídeo. Na quarta (5), a CBT anunciou que o presidente da Comissão de Atletas, João Menezes, será levado a Portugal para treinar. Quatro tenistas, incluindo Carol Meligeni, outra votante, viajam no domingo (9).

Errata: o texto foi atualizado
A matéria informava que Lars Grael é consultor da Globo, mas ele teve o contrato encerrado na semana passada. A reportagem foi corrigida e ampliada, com a informação de que ele passa a ser um possível candidato.