PUBLICIDADE
Topo

"Acorde", diz Hamilton para chefe de Max após 'provocação' sobre ativismo

Lewis Hamilton, hexacampeão de Fomula 1, em entrevista exclusiva ao UOL no hotel Palácio Tangará - Lucas Lima/UOL
Lewis Hamilton, hexacampeão de Fomula 1, em entrevista exclusiva ao UOL no hotel Palácio Tangará Imagem: Lucas Lima/UOL
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

17/06/2020 07h28

Lewis Hamilton voltou a usar as mídias sociais para mandar seu recado sobre a luta contra o racismo, desta vez respondendo à suposta provocação do consultor da Red Bull, Helmut Marko. A reação aconteceu depois de o inglês ter acreditado que o austríaco teria diminuído o fato dele estar engajado na causa, questionando se isso não o distrai na preparação para o campeonato, que começa dia 5 de julho, na Áustria. Depois do mal entendido, o piloto deletou sua mensagem.

"Enquanto alguns pilotos estão distraídos, falando sobre quais vidas importam, a única coisa que importa para Max é o campeonato. O treinamento dele tem sido otimizado e ele está pronto para começar", foi a frase que Hamilton acreditou que teria dito o consultor da Red Bull à TV alemã RTL. No entanto, a frase foi modificada. Marko não usou o termo 'distraído' ao falar sobre Hamilton, apenas disse que pilotos diferentes reagiram de formas distintas neste período sem corridas devido ao cornavírus.

Sem saber qual era a frase original, Hamilton respondeu questionando se o racismo que sofreu, e ainda sofre, na vida e na carreira não seriam as verdadeiras distrações desnecessárias.

"Helmut, me deixa muito triste saber que você pensa que lutar pelo tratamento igual às pessoas negras uma distração. Estou realmente ofendido. A distração para mim foi ver fãs indo para as arquibancadas com os rostos pintados de preto para provocar minha família durante corridas [o episódio aconteceu na Espanha, em 2008]. Uma distração para mim foi a adversidade desnecessária e adicional e a maneira injusta como fui tratado quando era criança, adolescente, e até mesmo agora, devido à cor da minha pele. Espero que isso deixe claro para as poucas pessoas de cor que você tem em sua equipe acerca das suas prioridades e de como você os vê. Acorde. O automobilismo precisa mudar."

Marko é conhecido pelos comentários ácidos e ideias polêmicas. Foi ele quem sugeriu que os pilotos da Red Bull e da AlphaTauri fizessem o que chamou de um "acampamento de corona", a fim de que contraírem coronavírus para ganharem imunidade.

Já Hamilton tem pressionado o mundo do automobilismo a reagir em relação às manifestações contra o racismo que estão acontecendo principalmente nos Estados Unidos e na Europa. Há tempos o piloto, que foi o primeiro negro a disputar um GP na categoria, cobra o esporte para que seja mais inclusivo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.