PUBLICIDADE
Topo

F1 fica sem Mônaco pela primeira vez após 65 anos: relembre GPs marcantes

GP de Mônaco da Fórmula 1 - Divulgação/Mercedes
GP de Mônaco da Fórmula 1 Imagem: Divulgação/Mercedes
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

24/05/2020 04h00

Neste domingo seria realizado o 78º GP de Mônaco da história, mas a prova foi uma das duas canceladas por conta do coronavírus, junto com o GP da Austrália. Enquanto a F1 ainda busca soluções para remarcar as corridas adiadas e sequer começou sua temporada 2020 - a primeira do ano está marcada para dia 5 de julho, na Áustria - relembramos os momentos mais marcantes (para o bem e para o mal) do evento mais famoso da categoria.

Os 10 GPs de Mônaco mais marcantes da Fórmula 1:

Onda tirou 9 pilotos da prova em 1950

No primeiro GP de Mônaco que valeu para o campeonato da Fórmula 1, Juan Manuel Fangio venceu a primeira da carreira sem ter que se preocupar muito com a concorrência: logo na primeira volta, uma onda inundou a curva Tabac, que está presente no traçado até hoje. O pole Fangio conseguiu sair ileso, mas Giuseppe Farina, que vinha em segundo e tinha vencido a prova anterior com facilidade, foi o primeiro dos nove pilotos que bateram e ficaram por ali mesmo. Aí ficou fácil para Fangio, que se tornaria pentacampeão da F1.

A corrida em que Senna apareceu para o mundo em 1984

senna mônaco 84 - Mike Powell/Getty Images - Mike Powell/Getty Images
Senna durante o GP de Mônaco de 1984
Imagem: Mike Powell/Getty Images

A primeira corrida de Senna em Mônaco é uma das provas clássicas quando se fala na carreira do tricampeão. Era o sexto GP de sua carreira, e o piloto da Toleman largou em 13º. Sob forte chuva, foi escalando o pelotão a, a exemplo de outro jovem talento, Stefan Bellof, que fazia corria ainda melhor, saindo de último com a Tyrrell. Senna era segundo e Bellof terceiro quando a direção de prova decidiu encerrar a prova com apenas 32 voltas disputadas, dando a vitória ao pole Alain Prost, devido à chuva. O alemão Bellof nunca teve chance de comprovar seu talento: morreu no ano seguinte em um acidente.

Quando Schumacher bateu atrás do Safety Car e Trulli venceu em 2004

Michael Schumacher ganhou o GP de Mônaco em cinco oportunidades e fez sua última pole position também por lá, com uma Mercedes que era bem menos competitiva do que a de hoje, em 2012. Mas também viveu momentos controversos no Principado. Uma das cenas mais improváveis da carreira do alemão aconteceu em 2004, quando ele bateu na traseira de Montoya, na saída do túnel, enquanto aquecia pneus, durante um período de Safety Car. Outro momento famoso da prova de 2004 foi quando Fernando Alonso bateu ao tentar dar uma volta em Ralf Schumacher. Quem escapou ileso e venceu a única da carreira foi Jarno Trulli, que inclusive tinha feito a pole naquela ocasião.

Senna bateu sozinho tentando humilhar Prost em 1988

Senna até hoje é o único piloto que venceu o GP de Mônaco em seis oportunidades, mas também viveu no Principado um de seus piores momentos: em 1988, era praticamente certo que ele ou o companheiro Alain Prost venceriam a corrida, tamanha a vantagem do equipamento. O brasileiro fez a pole com impressionantes 1s4 à frente do francês e vinha dominando a prova, com mais de 50s de vantagem, quando bateu sozinho na Portier. Ficou tão irritado com o próprio erro que preferiu ir para casa a pé a voltar para o box da equipe.

Fogo em hotel atrasou largada de corrida movimentada em 1981

Imagine que a largada foi atrasada porque o hotel que fica em cima do túnel teve um incêndio e a água usada para controlá-lo inundou a pista. Isso aconteceu em 1981, em prova que, quando foi dada a largada, vinha sendo dominada por Nelson Piquet até o brasileiro bater com 20 voltas para o fim. Quem assumiu a ponta foi Alan Jones, mas ele teve uma quebra dez voltas depois, e a vitória ficou com Gilles Villeneuve.

Primeira vitória da Ferrari em Mônaco e Ascari no mar em 1955

Uma das cenas clássicas dos primórdios do GP de Mônaco sendo realizado como parte do campeonato da F1 é de um carro sendo atirado no mar. É Alberto Ascari, bicampeão em 52 e 53, então líder da prova. O italiano sobreviveu àquele acidente, mas morreria quatro dias depois, em um teste, em Monza. Mas a prova não ficou na história apenas por isso: a vitória de Maurice Trintignant foi a primeira da Ferrari em corridas oficiais da F1 em Mônaco, e também foi a única derrota das Flechas de Prata da Mercedes naquele ano.

Corrida de 1982 teve 6 trocas de liderança nas últimas 5 voltas

Patrese Monaco - Hulton Archive/Getty Images - Hulton Archive/Getty Images
Patrese venceu corrida com final maluco em 1982
Imagem: Hulton Archive/Getty Images

A temporada de 1982 ficou marcada por ter sido muito aberta: o campeão Keke Rosberg, venceu apenas uma corrida no ano. Em Mônaco, até quatro voltas para o fim, cinco pilotos ainda tinham chance de vencer. Era Prost que liderava desde o início. Mas o francês bateu na saída da chicane, e a ponta ficou nas mãos de Riccardo Patrese. O italiano rodou no hairpin com duas voltas para o fim e Didier Pironi tomou a liderança com a Ferrari. Mas seu carro ficou sem combustível na saída do túnel. A liderança ficaria com Andrea de Cesaris, mas ele também teve pane seca e Derek Daly, que vinha atrás, teve uma quebra de câmbio na última volta. Quem agradeceu foi Patrese, que acabou vencendo.

Rindt bate Brabham na última volta em 1970

Este é um final dramático sem chuva ou quebras: Jochen Rindt, que foi o campeão daquela temporada mesmo tendo morrido antes do ano acabar, vinha tendo um fim de se semana tímido. Diziam, inclusive, que o fato do piloto se hospedar no barco de Bernie Ecclestone não o ajudou. Ele se classificou em oitavo. Na metade da corrida, ?despertou? e passou a ganhar terreno, fazendo ultrapassagens e se aproximando do líder Jack Brabham. Mas o australiano ainda tinha 9s com quatro voltas para o fim e parecia caminhar para uma vitória tranquila quando começou a encontrar dificuldades com retardatários. Rindt se aproximou e Brabham entrou na última volta pressionado, encontrou mais carros lentos, escapou e deu a vitória de bandeja para Rindt na última curva. A volta final do austríaco acabou sendo mais veloz até que sua tentativa na classificação!

Senna segura carro 1s mais rápido para igualar Graham Hill em 1992

A temporada de 1992 foi toda de Nigel Mansell e a Williams. O inglês tinha vencido as cinco primeiras corridas, fez a pole com mais de 1s de vantagem para Ayrton Senna, que largava em terceiro, e liderava tranquilamente com 10 voltas para o fim. Mas um furo no pneu o colocou atrás do brasileiro, que o segurou para vencer pela quinta vez em Mônaco, igualando Graham Hill, maior vencedor no Principado desde então. A diferença entre Senna e Mansell ao cruzar a linha de chegada foi de apenas 0s215.

Só 3 pilotos sobreviveram na última vitória francesa em 1996

A junção de Mônaco e chuva é sinônimo de corrida cheia de acidentes, mas nenhuma seguiu tanto a regra quanto a prova de 1996, que até hoje tem o recorde de menor número de pilotos cruzando a linha de chegada: somente três. O pole Schumacher ficou logo na primeira volta e, após 10 giros, só havia 12 carros na corrida. O líder Damon Hill teve um problema de motor na volta 40. Nomes como Coulthard, Irvine e Hakkinen sobreviveram até o final, mas se envolveram em um acidente com cinco voltas para a bandeirada. Quem acabou vencendo um dos GPs mais malucos da história foi Olivier Panis, na última vitória francesa da F1 de lá para cá.

Apesar do cancelamento da etapa deste ano, o GP de Mônaco já tem data para acontecer em 2021: 23 de maio.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.