PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Pole Position


Em tempos de coronavírus, Hamilton usa sua imagem para conscientizar fãs

Lewis Hamilton aproveitou visita à Austrália para ir a áreas atingidas por queimadas - Reprodução/Instagram
Lewis Hamilton aproveitou visita à Austrália para ir a áreas atingidas por queimadas Imagem: Reprodução/Instagram
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

26/03/2020 04h00

Dia 12 de março, quinta-feira antes do que seria a etapa de abertura da temporada da Fórmula 1, em Melbourne, na Austrália: um dia depois da organização mundial de saúde ter declarado situação de pandemia mundial devido ao covid-19, Lewis Hamilton participava de uma coletiva de imprensa em uma sala fechada com cerca de 100 jornalistas, atônito. "É chocante estarmos todos aqui neste lugar. Parece que o mundo está reagindo, até um pouco tarde, e mesmo assim a F-1 segue adiante."

Hamilton demonstrava ainda preocupação com os fãs e com as pessoas mais idosas que acompanham o circo da F-1, como o tricampeão dos anos 60 e 70, Jackie Stewart. "É um número bem grande de pessoas que viajou até a Austrália, então definitivamente isso me preocupa. Mas é o dinheiro que fala mais alto."

Enquanto isso, os demais pilotos optavam por uma postura menos forte, dizendo confiar nas decisões que a federação de automobilismo e os dirigentes da categoria estavam tomando. No dia seguinte, a corrida foi cancelada e as demais etapas da F-1, até o início de junho, foram sendo adiadas uma a uma desde então.

Mas uma coisa não mudou: Hamilton, que tem usado sua posição como hexacampeão do mundo como plataforma para várias causas que defende, especialmente em relação ao meio ambiente, seguiu como a voz mais sensata da Fórmula 1.

No último sábado, Hamilton usou suas mídias sociais para dividir como tinha lidado com a possibilidade de ter contraído o coronavírus mesmo antes de sua viagem à Austrália, em evento justamente sobre o meio-ambiente realizado no estádio de Wembley, em Londres. Na ocasião, ele tinha dividido o palco com o ator inglês Idris Elba e a esposa do primeiro-ministro do Canadá, Sophie Grégoire Trudeau, que posteriormente confirmaram estar com a doença.

O piloto explicou que decidiu apenas se isolar, sem fazer o teste, após consultar seu médico. "Eu queria dizer que estou bem, sinto-me saudável e tenho treinado duas vezes por dia. Não tenho nenhum sintoma e agora já fazem 17 dias desde que eu estive com Sophie e Idris. A verdade é que há um número limitado de testes e há pessoas que precisam mais do que eu, especialmente porque eu não estou apresentando nenhum sintoma. Então o que fiz foi me manter isolado semana passada, na verdade desde que o GP da Austrália foi cancelado na sexta-feira passada. O mais importante é que as pessoas possam adotar o distanciamento social da melhor maneira possível. Fique no isolamento se puder e lave suas mãos com sabão e água por pelo menos 20s."

Dias depois, o piloto voltou às mídias sociais para criticar as pessoas que vêm ignorando a recomendação dos governos de só saírem de suas casas para atividades essenciais. A crítica muito provavelmente era mais dirigida a seu país natal, o Reino Unido, em que muitos ignoraram os pedidos do premiê Boris Johnson para ficarem em casa até o governante apertar o cerco na noite desta segunda-feira e anunciar regras mais restritas ao movimento de pessoas, no momento em que o Reino Unido via um aumento significativo do número de casos e mortes.

"Ainda há pessoas indo para baladas e bares e fazendo parte de grandes aglomerações, o que eu sinto que é totalmente irresponsável e egoísta. Não há nada o que podemos fazer senão isolar-nos para evitar o contágio e que a doença se espalhe. Estou rezando para aqueles que estão trabalhando fazendo entregas, nos mercados, para os médicos e enfermeiras que estão colocando sua saúde em risco para ajudar os outros e permitir que os países sigam funcionando. Eles são os heróis."

Hamilton posta imagens comparando auto-isolamento por coronavírus com vida em zoológico - Reprodução/Instagram
Hamilton posta imagens comparando auto-isolamento por coronavírus com vida em zoológico
Imagem: Reprodução/Instagram

Hamilton aproveitou ainda para mandar outra mensagem: o inglês postou imagens de pandas em zoológicos e disse que "agora as pessoas que estão em isolamento estão começando e entender o que os animais encarcerados sentem." O piloto também é vegano e ativista de causas animais.

Devido ao coronavírus, a Fórmula 1 não tem data para iniciar sua temporada. Até o momento, foram cancelados os GPs da Austrália e de Mônaco, e as corridas do Bahrein (que estava marcada para o último domingo e foi substituída por uma prova virtual), Vietnã, Holanda, Espanha e Azerbaijão foram adiadas e não têm data confirmada. O CEO da categoria, Chase Carey, afirmou nesta segunda-feira que trabalha com a possibilidade de realizar de 15 a 18 provas. O calendário original tinha 22.

Pole Position