PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Polêmico no Rio e multimedalhista, Lochte não consegue vaga em Tóquio

Ryan Lochte dando entrevista - Matt Hazlett/Getty Images
Ryan Lochte dando entrevista Imagem: Matt Hazlett/Getty Images
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

18/06/2021 23h43

Segundo nadador a conquistar mais medalhas olímpicas na história, Ryan Lochte não irá aumentar sua coleção de conquistas em Tóquio. O norte-americano de 36 falhou em se classificar para a próxima edição dos Jogos Olímpicos durante a seletiva nacional que está sendo realizada em Omaha.

Dono de doze medalhas olímpicas, sendo seis de ouro, três de prata e três de bronze, Lochte teve o azar de ser contemporâneo do maior nadador de todos os tempos, seu amigo Michael Phelps, com quem rivalizou. Agora que Phelps está definitivamente aposentado, porém, Lochte falhou em se classificar para a Olimpíada.

A última oportunidade era pelos 200m medley, prova que foi resolvida hoje na seletiva americana em Omaha com a classificação de Michael Andrew e Chase Kalisz. Lochte, que nem final pegou nos 200m livre, desta vez ficou em uma também modesta sétima colocação.

Na saída da piscina, negou que vá se aposentar. "Este não é o fim da estrada", respondendo a uma pergunta de um repórter de TV. "Há muito mais que quero realizar na natação, seja na piscina ou fora da piscina, tornando a natação ainda maior", afirmou.

Os últimos anos foram conturbados para Lochte. Dono de incríveis 39 medalhas de ouro em Campeonatos Mundiais, sendo 18 na piscina longa e 21 na curta, ele começou a afundar quando alegou, com outros nadadores, ter sido roubado no Rio de Janeiro, depois de encerrar sua participação na Olimpíada.

A investigação policial apontou, porém, que os nadadores mentiram, inventando o roubo, para esconder que haviam saído para a balada. Também descobriu que eles pararam em um posto de gasolina, urinaram do lado de fora do banheiro e subornaram seguranças quando foram cobrados. Já nos Estados Unidos, o veterano foi suspenso da seleção e perdeu patrocinadores.

Quando as coisas voltavam para os eixos, ele postou uma foto recebendo uma infusão intravenosa no joelho, o que é proibido pelo código antidoping. Por isso, foi suspenso por 14 meses. No Brasil, ele é réu por falsa comunicação de crime.