PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

COI confia em vacinação em massa de atletas para ter Olimpíada segura

Thomas Bach fala durante entrevista coletiva - Fabrice Coffrini/AFP
Thomas Bach fala durante entrevista coletiva Imagem: Fabrice Coffrini/AFP
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

21/04/2021 13h52

Faltando três meses para o início dos Jogos Olímpicos de Tóquio, o Comitê Olímpico Internacional (COI) confia que uma grande parte dos atletas que estarão presentes na competição no Japão já estará vacinada durante o evento. Em diversos países, os atletas olímpicos foram colocados em listas prioritárias de vacinação, enquanto em outros, como nos Estados Unidos, a vacinação está adiantada a ponto de já atingir um número grande, senão a maioria, da delegação olímpica.

"Um grande, grande número de participantes que estarão hospedados na Vila Olímpica já estarão vacinados para a segurança deles e também em solidariedade para com os anfitriões japoneses", disse o presidente do COI, Thomas Bach, em entrevista coletiva hoje (21) depois de uma reunião do Conselho Executivo do órgão.

"Estamos também em contato com os Comitê Olímpicos Nacional (NOC's) onde não existe vacinação no país e tentando ajudar. Tem também alguns NOC's ajudando uns aos outros, e eu espero que quando tivermos situações em alguns países em que toda a população tem acesso, que muitos desses países vão também abrir e oferecer assistência para países pobres. Tudo que o COI puder fazer nós estamos fazendo", afirmou ele.

No Brasil, o Comitê Olímpico do Brasil (COB) decidiu que, ainda que venha a ser autorizada a compra privada de vacinas, a entidade vai seguir o plano nacional de vacinação, o que significa que os atletas só serão vacinados quando chegar a vez deles na fila. Até julho, provavelmente só estarão vacinados atletas que são também profissionais de saúde (principalmente de educação física) e aqueles que fazem parte das Forças Armadas, caso os militares sejam vacinados até lá.

Na coletiva de hoje, Bach mostrou otimismo para que a Olimpíada seja segura. "Nos últimos meses, 340 eventos importantes foram realizados com 40.000 atletas e nenhum desses eventos espalhou o vírus e nenhum desses eventos teve o benefício da vacina. A vila olímpica será um lugar bastante seguro para todos", prometeu.

Ele informou que uma segunda versão dos "playbooks", que são os protocolos para a prevenção do coronavírus, deverá ser divulgada na semana que vem, ainda não definitiva, mas a agência de notícias japonesa Kyoso News adiantou que os atletas deverão ser submetidos a testes diários, com amostras colhidas da saliva. Pela primeira das três versões dos playbooks, a previsão era que os esportistas fossem testados a cada, no máximo, quatro dias durante a estadia na Vila Olímpica.