PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

Liga das Nações de Vôlei será em formato de bolha em um só país

Brasil foi vice-campeão da Liga das Nações de vôlei feminino em 2019; EUA levaram o título - Visual China Group via Getty Images/Visual China Group via Getty Images
Brasil foi vice-campeão da Liga das Nações de vôlei feminino em 2019; EUA levaram o título Imagem: Visual China Group via Getty Images/Visual China Group via Getty Images
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

26/01/2021 11h05

A Federação Internacional de Vôlei (FIVB) anunciou hoje (26) sua intenção de realizar a Liga das Nações na temporada 2021, depois do cancelamento em 2020, e para isso aprovou um "conceito de bolha", com 16 equipes concentradas em uma mesma sede, onde serão disputadas tanto a fase inicial quanto a decisiva.

Herdeira da Liga Mundial, no masculino, e do Grand Prix, no feminino, a Liga das Nações tem como conceito exatamente o oposto. Uma equipe precisa literalmente dar a volta ao mundo durante a primeira fase, pulando de sede em sede. Em 2019, por exemplo, o time feminino do Brasil jogou em Brasília, depois na Holanda, nos Estados Unidos, no Japão, na Turquia, e finalmente na China.

Esse formato seria inviável durante a pandemia, porque diversos países seguem impondo uma série de exigências para trânsito internacional de passageiros e diante do risco acentuado de contaminação nos deslocamentos. Isso levou à FIVB a apresentar o conceito de bolha como alternativa.

"O conceito da bolha protegerá a saúde de todos os participantes, acomodando todas as 16 equipes por gênero em um único país, em um ambiente seguro com testes frequentes de covid, minimizando significativamente o risco de transmissão do vírus. As partidas no formato round robin e as finais serão realizadas em um único local, preservando o formato original da Liga das Nações com o mesmo número de partidas por gênero". Isso significa que cada time realizará 15 partidas só na fase de classificação.

A nova regra foi aprovada pelo conselho da Liga das Nações hoje e, agora, a FIVB vai negociar com organizadores interessados em receber o torneio, tanto na versão masculina quanto na feminina. A ideia é anunciar o país ou os países anfitriões e o calendário de jogos já no mês que vem.