PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

Brasil soma cinco ouros e é campeão pan-americano de judô

Maria Portela com a medalha de ouro do Pan de Judô - Reprodução
Maria Portela com a medalha de ouro do Pan de Judô Imagem: Reprodução
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

22/11/2020 16h09

Mesmo desfalcado de diversos nomes de peso, como Mayra Aguiar (operou o joelho) e Rafaela Silva (suspensa por doping), o Brasil se sagrou mais uma vez campeão pan-americano de judô. E de forma dupla: ganhando mais medalhas nas competições individuais, na sexta e ontem (21), e ganhando o torneio de equipes mistas, hoje (22).

A competição aconteceu em Guadalajara (México) e, por causa da pandemia, sua realização só foi confirmada duas semanas antes. O torneio é importantíssimo porque vale 700 pontos para o campeão no ranking olímpico, pontuação só menor do que um Grand Slam. Em um momento em que o calendário internacional está suspenso, esses pontos podem ser fundamentais.

Isso tanto para alguns brasileiros que ainda brigam para entrar ou se manterem na zona de classificação, quanto para outros que travam uma briga interna. É o caso do peso pesado feminino, que tem Maria Suelen em terceiro e Bia Souza em sexto no ranking. Suelen ganhou a final do Pan contra Bia e vai ampliar sua vantagem.

Na mesma categoria masculina, Rafael Silva chegou à final, mas se machucou na semi e não participou da luta pelo ouro, ficando com a prata. David Moura perdeu na semi e acabou com bronze. A vantagem de Baby, que já é de mais de 500 pontos, vai ficar ainda maior.

Rafael Buzacarini (100kg), Rafael Macedo (90kg) e Eduardo Yudi (81kg) ganharam prata e ficaram mais perto de Tóquio, assim como Eric Takabatake (60kg), ouro em uma categoria que a corrida interna do Brasil é acirrada. Daniel Cargnin (66kg) também ganhou ouro e deve entrar no top5 do ranking mundial. Na até 73kg, a prata de Eduardo Barbosa aumenta as chances de o Brasil conseguir classificar um atleta.

Entre as mulheres, Maria Portela (70kg) foi a outra brasileira a ganhar ouro. No geral, a campanha feminina foi ruim. Larissa Pimenta (52kg), Jessica Pereira (57kg) e Ketleyn Quadros (63kg) ficaram com bronze. Larissa e Ketleyn devem ir a Tóquio, enquanto Jéssica corre contra o tempo para somar pontos e entrar na zona de classificação da categoria de Rafaela Silva.

No total o Brasil ganhou quatro medalhas de ouro individuais, mesmo número do Canadá, mas somou outras seis de prata, ante nenhuma dos canadenses. Por equipes a seleção brasileira chegou ao título superando Cuba na grande decisão.