PUBLICIDADE
Topo

Ana Paula agradece a apoiadores e ameaça processar quem a chama de racista

Ana Paula sorri durante entrevista concedida ao UOL em São Paulo em 2018 - Paulo Camilo/UOL
Ana Paula sorri durante entrevista concedida ao UOL em São Paulo em 2018 Imagem: Paulo Camilo/UOL
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

07/06/2020 04h00

Criticada pela ex-jogadora de vôlei Isabel Salgado em carta pública divulgada ontem (6), a também ex-jogadora e agora influencer da direita brasileira Ana Paula Henkel usou o Twitter para agradecer o apoio de seguidores diante do que ela chamou de um ataque orquestrado contra ela e para ameaçar de processo quem a chama de racista.

"Não tenho palavras para agradecer as milhares de mensagens de apoio e carinho diante do orquestrado ataque ao meu nome e minha índole. E é exatamente nessas horas que entendemos o termo 'maioria silenciosa', soldados que aparecem contra a injustiça e a covardia. Muito obrigada", escreveu.

Com mais de 600 mil seguidores no Twitter, Ana Paula tornou-se uma das vozes mais ativas na defesa de pautas conservadoras. Morando nos Estados Unidos e casada com um ex-jogador norte-americano, ela costuma fazer defesa efusiva do presidente Donald Trump e mostrar alinhamento com a agenda do brasileiro Jair Bolsonaro.

Na semana passada, ela postou vídeo em que uma mulher negra norte-americana acusa o movimento que tomou conta das ruas do país de ser hipócrita por não protestar quando negros matam negros. Na sequência, escreveu: "12% negros, 62% dos roubos, 56% dos assassinatos. Faça as contas". Ela não explicou, no post, o que os números significavam. Depois, publicou citação afirmando que o racismo é "mantido vivo por políticos, agitadores de raças e pessoas que têm uma sensação de superioridade chamando os outros de 'racista'".

No sábado, agradeceu mensagens de apoio de outras vozes influentes da direita brasileira, como dos deputados estaduais paulistas Gil Diniz e Douglas Garcia - ambos do PSL, mas que foram suspensos pelo partido depois de serem alvo do inquérito das fake news no STF -, dos ativistas bolsonaristas Guilherme Campos, Bene Barbosa e Leandro Ruschel e do ex-CEO da Copa do Mundo e atual presidente do Comitê Rio-2016 Ricardo Trade.

A um seguidor que sugeriu que Ana Paula processasse a jornalista Bárbara Gancia, que a teria chamado de racista, Ana Paula respondeu: "Todos serão processados. Vasto material já se encontra com os meus advogados".

Mas o texto de Isabel Salgado também recebeu apoio nas redes sociais. "Isabel Salgado, obrigada! Que elegância! Quando li sua carta, me senti extremamente identificada! Obrigada pelas recomendações de leituras, obrigada por sua visão coletiva!", escreveu a bicampeã olímpica Fabi Alvim, que faz parte, junto com Isabel e com outras figuras de relevo, do grupo Atletas Pela Democracia, que apoia a luta contra o racismo.

"Isabel Salgado é avessa às redes sociais. Que pena. É uma voz elegante e inteligente. Faz falta por aqui. Que bom que quando precisou ela se manifestou. Algumas palavras que Ana Paula precisa ler, mas obviamente não vai entender", afirmou o jornalista Tiago Maranhão.

Olhar Olímpico