PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

Piscina do Alvorada citada por Bolsonaro tem energia solar desde 2002

Os amplos jardins da parte posterior do Palácio da Alvorada, projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, cederam espaço - em parte - para a grande piscina - Leonardo Finotti/ UOL
Os amplos jardins da parte posterior do Palácio da Alvorada, projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, cederam espaço - em parte - para a grande piscina Imagem: Leonardo Finotti/ UOL
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

24/04/2020 19h02

A piscina "olímpica" do Palácio da Alvorada virou assunto nacional nesta sexta-feira (24), quando o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) citou o desligamento do aquecimento dela como uma das medidas tomadas por ele para economizar gastos públicos. Não demorou para as redes sociais descobrirem, porém, que a piscina tem aquecimento solar há quase duas décadas, desde 2002.

A obra, realizada ainda durante o governo FHC, já que o ex-presidente que utilizava a piscina para praticar natação, porém, continuou exigindo o consumo de energia elétrica, em menor escala. A informação consta no site da Agência Energia, empresa privada que realizou a obra.

"Uma instalação de grande porte foi realizada sobre a cozinha oficial e ajudou a reduzir o consumo de energia elétrica das bombas de calor usadas no aquecimento. Além dos desafios técnicos esse projeto envolveu questões de segurança para acesso ao palácio e respeito ao projeto arquitetônico elaborado pelo arquiteto Oscar Niemeyer", diz a empresa.

Esta não é a primeira vez, porém, que Bolsonaro cita o desligamento do sistema de aquecimento da piscina como medida de redução de gastos. No final do ano passado, ele recebeu jornalistas para um café da manhã e contou sobre o desligamento, citando que, mesmo assim, nada nela duas vezes por semana.

A piscina não é exatamente "olímpica" porque existe uma ilha de concreto no meio dela. O local passou por reforma entre 2004 e 2006 e, depois, teria recebido melhorias em 2008, quando foi instalado piso de granito ao redor dela. Em 2016, essa última reforma virou alvo da Polícia Federal.

Errata: o texto foi atualizado
Ao contrário do informado anteriormente, a piscina seguia com energia elétrica em menor escala, e não solar. O erro foi corrigido.