PUBLICIDADE
Topo

Milly Lacombe

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Milly Lacombe: O time que se diz do povo não pode dever ao FGTS

Meio-campista Willian é anunciado como reforço do Corinthians - Divulgação/SCCP
Meio-campista Willian é anunciado como reforço do Corinthians Imagem: Divulgação/SCCP
Milly Lacombe

Milly Lacombe, 53, é jornalista, roteirista e escritora. Cronista com coluna nas revistas Trip e Tpm, é autora de cinco livros, entre eles o romance O Ano em Que Morri em Nova York. Acredita em Proust, Machado, Eça, Clarice, Baldwin, Lorde e em longos cafés-da-manhã. Como Nelson Rodrigues acha que o sábado é uma ilusão e, como Camus, que o futebol ensina quase tudo sobre a vida.

Colunista do UOL

02/09/2021 14h57

Dia primeiro de setembro é dia de festa há 111 anos. E nesse primeiro setembro de 2021, a festa teve presente para a torcida. O Corinthians anunciou que o meia Willian está voltando pra casa. O time de Sylvinho foi, como disse meu colega Rodolfo Rodrigues, o que melhor aproveitou a janela e agora o torcedor e a torcedora se agarram novamente ao sagrado direito de sonhar, de confiar em dias melhores. Deveriam ser só boas notícias, mas eu não estou conseguindo vibrar como gostaria.

O time do povo, o time que foi capaz de aumentar sua massa durante anos de seca e fracassos, o time que tem sua história ligada à luta pela democracia e direitos sociais, o time que por três vezes deslocou uma quantidade absurda e histórica de pessoas para vê-lo jogar (Rio, 1976; Rio, 2000; Yokohama, 2012) está, como me lembraram as talentosas Maria Victória Poli e Isabela Labate na live que fizemos no dia 29 de agosto, em dívida com o FGTS desde 2019. Diante desse fato o que passa pela cabeça de quem está atento é: como sair contratando craques que recebem salários tão altos se o básico do básico do básico não está sendo cumprido?

Romper um acordo de amparo social como o FGTS é deixar o trabalhador e a trabalhadora em situação de extrema vulnerabilidade. O time da massa, o time que se orgulha de estar intimamente associado à classe trabalhadora brasileira, não poderia dever ao FGTS. Sabemos que uma MP aprovada durante a pandemia dá ao empregador o direito de suspender o recolhimento do FGTS por alguns meses, mas, primeiro: nem tudo o que é legal é decente, digno, ético e moral. E segundo: a falta de recolhimento do FGTS pelo Corinthians extrapola os meses da MP.

Diante dessa triste realidade, a volta de Willian é uma notícia agridoce. Se por um lado o time se reforça a ponto de ter hoje um elenco acima da média para o campeonato que disputa, por outro é como se alguém nos devesse um dinheiro, alegasse estar passando por problemas sérios de endividamento para não pagar, e saísse gastando por aí. É difícil de aceitar.

Isto dito, a repatriação de Willian tem gosto de segunda chance para que o relacionamento interrompido precocemente entre a torcida e o craque agora se concretize. Willian volta para o lugar da onde, talvez, nunca precisasse ter saído. Bem vindo de volta pra casa.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL