PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Rogério Ceni tentou se antecipar, matou jogo do São Paulo e chamou empate

Calleri lamenta chance perdida no jogo entre Corinthians e São Paulo - Marcello Zambrana/AGIF
Calleri lamenta chance perdida no jogo entre Corinthians e São Paulo Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
Conteúdo exclusivo para assinantes
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

22/05/2022 18h11

O São Paulo deu um baile no Corinthians no primeiro tempo. Fez 1 a 0 e, não fosse Cássio, teria feito muitos mais gols. E aí Rogério Ceni, que foi brilhante na montagem do time para tentar a primeira vitória na história em Itaquera, quis se antecipar. E errou.

"Em time que está ganhando, não se mexe", este é o velho ditado popular. Não gosto muito dele, às vezes é necessário, sim, mexer no que está bom para ficar ainda melhor. Não é possível aguardar passivamente as coisas continuarem dando certo. Mas, convenhamos, não é preciso mexer tanto assim no que está bom.

Rogério fez três alterações no intervalo. Isso mesmo, três! Tirou dois jogadores que estavam bem (Igor Vinícius e Reinaldo) e um que estava mais ou menos (Luciano) para mudar o sistema do time (de 3-5-2 para 4-4-2). Colocou Rafinha, Patrick e Éder. Acho que trocar um atacante por outro estaria de bom e tamanho e, então, mudar outras peças de acordo com o que o Corinthians apresentasse.

A ideia de Ceni era óbvia: defender bem, já que o Corinthians inevitavelmente buscaria o empate, e buscar eficiência no corredor com Patrick, de um lado, e Éder mais móvel para puxar contra ataques. Não deu certo. É culpa do técnico? Nunca se pode prever quem vai entrar bem ou mal. Mas o fato é que os caras que saíram de campo estavam bem, dominando o Corinthians em todos os setores. Ele trocou o certo pelo incerto.

O resultado prático é que o São Paulo recuou, ficou sem contra ataque e chamou o Corinthians. Que fez um jogo bastante meia boca, mas conseguiu o empate com Ádson - outro que entrou no intervalo, no lugar de Gil, mas este jogou bem. O Corinthians atuou com três zagueiros no primeiro tempo e fez um jogo pífio, como já fizera durante a semana contra o Boca, na Argentina.

No segundo tempo, com a torcida, o afã de buscar o empate e o recuo do adversário, o time melhorou. Mas algumas das escolhas de Vítor Pereira foram bastante discutíveis. E Roger Guedes parece, de fato, distante de cair no gosto do técnico.

VP escalou mal e melhorou o time, mas só não perdeu mais um clássico por causa de Cássio e de Ceni, que escalou bem e piorou o time.

Ambos estão relativamente bem na temporada e são times que vão oscilar, isso está claríssimo. No mata-mata, podem chegar longe, há potencial. No Brasileiro, disputaram hoje a liderança, que ficou com o Corinthians por mais uma rodada. Mas, acho eu, é o outro integrante do trio-de-ferro o mais forte para o restante do campeonato.

Siga o Julio Gomes no Twitter.

Inscreva-se no Podcast Futebol Sem Fronteiras para futebol internacional.