PUBLICIDADE
Topo

Não podemos menosprezar o tal do futebol - apenas os dirigentes

Pedro comemora gol de empate do Flamengo contra o Palmeiras - Marcello Zambrana/AGIF
Pedro comemora gol de empate do Flamengo contra o Palmeiras Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

27/09/2020 18h26

Acompanhei à distância a bizarra situação envolvendo o "joga-não joga" desta Palmeiras e Flamengo no domingo. Falar o quê? Muito foi falado. Muito tempo foi gasto.

Minha opinião é a mesma desde abril. Infelizmente, nosso país resolveu normalizar mortes e "conviver" com o coronavírus. Não era nem para ter jogo de futebol e os caras estão discutindo colocar torcida em estádio. É óbvio que teremos surtos em vários clubes de futebol e é óbvio que os protocolos não servem para bulhufas em nosso país.

O Flamengo teve uma atuação lamentável e foi a grande força por trás do retorno prematuro aos campos, então é natural que tenha sido bombardeado por tentar de todos os jeitos adiar o jogo.

Só que o tempo todo nós - e até os dirigentes, pelo jeito - nos esquecemos de um pequeno detalhe. Sempre que o Flamengo tiver 11 jogadores para colocar em campo, ele poderá ganhar um jogo de futebol. Ainda mais com o elenco que tem, tão superior a todos os outros. E o jogo era contra o Palmeiras! Que não perde de ninguém, mas joga uma bolinha assim pequenininha.

Não podemos menosprezar o tal do futebol. Podemos, sim, desprezar os dirigentes, que estragaram o melhor produto brasileiro de todos os tempos.

O Flamengo, todo remendado pelo contágio em massa de seus jogadores e funcionários, arrancou um pontinho em São Paulo contra um Palmeiras que, possivelmente, seja o maior derrotado da rodada - mesmo sem perder.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL