PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Julio Gomes


Goleada do City sobre o Liverpool mostra, sim, força do time de Guardiola

Sterling e Gabriel Jesus comemoram gol do Manchester City sobre o Liverpool - Victoria Haydn/Manchester City FC via Getty Images
Sterling e Gabriel Jesus comemoram gol do Manchester City sobre o Liverpool Imagem: Victoria Haydn/Manchester City FC via Getty Images
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

02/07/2020 18h28

OK, o campeonato já está decidido. OK, o Liverpool passou a semana celebrando, aquela ressaca danada. OK, times que já cumpriram o objetivo não se preparam para os jogos seguintes com o mesmo foco. OK, já vimos tantas faixas serem carimbadas, ano após ano...

Tudo isso é verdade. Mas não dá para menosprezar a goleada que o Manchester City aplicou para cima do Liverpool nesta quinta, 4 a 0, que poderiam ter sido 5, não fosse um gol anulado pelo VAR nos instantes finais.

Alisson nunca havia levado quatro gols desde que chegou ao Liverpool - o time chegou a levar cinco em dois jogos sui generis da Copa da Liga Inglesa, em que o brasileiro não jogou.

Se o Liverpool foi indiscutivelmente o melhor time do mundo em 2019, perdendo o título inglês para o City por um ponto, após uma reta final insana dos dois, também é indiscutível que o time de Guardiola é o melhor de 2020 até agora.

Talvez não seja o melhor do mundo, pois está aí o Bayern de Munique para discutir isso. Mas o City foi o mais consistente da Inglaterra neste ano, o Liverpool caiu de produção, e os 4 a 0 podem até ter a ver com a ressaca do título após uma fila de 30 anos, mas têm a ver também com o futebol de cada um neste terço final de temporada.

Não estou aqui falando que o Manchester City seja melhor que o Liverpool, apenas que esteve nos primeiros meses do ano e que está no momento. Ser e estar são coisas diferentes. Não à toa, o time de Klopp já se despediu da Champions, enquanto o de Guardiola está vivíssimo na disputa - venceu o Real Madrid fora de casa e defenderá este resultado quando a competição europeia voltar, dentro de um mês.

Quando a Premier League voltou, eu já havia dito aqui no blog que o time para ficar de olho era o City. Campeonato decidido - era só questão de tempo -, o grande lance era ver em que ritmo chegaria a equipe azul. Ainda mais com a punição da Uefa, que deve tirar o City da Champions pelos próximos dois anos, era de se esperar que os caras estivessem com a faca nos dentes.

E estão, como vimos nesta quinta.

Julio Gomes