PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Julio Gomes


Copa de 2022 terá seleção quase igual. Quem chega e quem fica pelo caminho?

Neymar e Daniel Alves fazem exercício durante treinamento da seleção brasileira - Buda Mendes/Getty Images
Neymar e Daniel Alves fazem exercício durante treinamento da seleção brasileira Imagem: Buda Mendes/Getty Images
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

07/03/2020 04h00

Quando Tite anunciar a convocação da seleção brasileira para a Copa do Mundo de 2022, no Catar, ouviremos muitos dos mesmos nomes que ouvimos ontem, quando saiu a primeira lista para as eliminatórias. Nas minhas contas, pelo menos 16 dos 24 caras estarão lá.

O próprio Tite já avisou. Depois de quase quatro anos com a seleção, a experiência de eliminatórias, Copa do Mundo e Copa América, sempre contra a parede, o técnico já sabe com quem contar. A base está formada, a experimentação acabou, e agora só irá furar o grupo pré definido de jogadores alguém que surgir sem que se espere ou alguém que exploda tecnicamente.

Uma ou duas vagas sempre precisam ser reservadas para alguém que se destaque demais nos meses antes da Copa. Alguns técnicos não fazem isso, mas deveriam.

É claro que não há como prever lesões e nem pontos fora da curva. Fora isso, não é muito difícil imaginar quem estará (ou não) no Catar. Quem vai chegar a 2022? E quem vai ficar pelo caminho? Vamos por posições:

Goleiros

Alisson e Éderson são nomes certos para a Copa do Mundo, e Weverton parece ter nas mãos o mesmo papel de Cássio em 2018 - um goleiro confiável, que defende um grande clube do país e possivelmente seguirá assim nos próximos anos. Portanto, já temos dois aqui da lista de ontem que devem estar no Mundial, Éderson e Weverton.

Laterais

Na direita, Tite tem um problema. Daniel Alves nem joga mais como lateral e terá 39 anos no Catar, e Danilo não é a solução. Está surgindo Emerson, ex-Atlético-MG, hoje no Bétis e fazendo um ótimo Campeonato Espanhol. O Barcelona tem a opção de compra no meio do ano que vem. A presença de Dani Alves na Copa depende de um quase milagre físico. Se ele não estiver, o que é mais provável, é capaz que Danilo esteja, pela experiência e por não termos outros bons laterais no radar. Na esquerda, é muito provável que os dois convocados, Alex Sandro e Renan Lodi, sejam os mesmos da Copa. Portanto, mais três nomes e já somamos cinco.

Zagueiros

Thiago Silva terá 38 anos na Copa e é exatamente a mesma situação de Daniel Alves. Como são quatro os zagueiros convocados (portanto, menor a chance de um reserva jogar, se compararmos com a lateral, uma posição mais específica), eu acho bem capaz que Thiago siga em frente com Tite. Marquinhos é uma certeza para 2022, Militão tem alta probabilidade e Felipe, uma chance menor. Rodrigo Caio estaria nesta lista, não estivesse machucado, e deve ir junto com Tite até a Copa. Portanto, temos mais três nomes aqui, contando com Militão, e chegamos a oito.

Meio-campistas

Casemiro (Real Madrid), Arthur (Barcelona), Fabinho (Liverpool), Everton Ribeiro (Flamengo), Bruno Guimarães (Lyon) e Philippe Coutinho (Bayern de Munique). Esta é a lista de ontem. Esta será a lista do Catar, exceto Éverton Ribeiro, que foi a surpresa da convocação e é um desses casos de grande momento técnico atual, não de projeto de futuro. Coutinho é exatamente o contrário. Só é chamado porque Tite conta com ele para o longo prazo. Há outros jovens com potencial para estar nesta lista - Paquetá, Gérson, Matheus Henrique e o próprio Fred, que está jogando bem pelo Manchester United e já foi para uma Copa com Tite. Mais cinco nomes, já estamos em 13.

Atacantes

Neymar (PSG), Roberto Firmino (Liverpool), Richarlison (Everton), Gabriel Barbosa e Bruno Henrique (Flamengo), Gabriel Jesus (Manchester City) e Everton (Grêmio) foram chamados para as eliminatórias. A lista de atacantes é a mais volátil, pois matéria prima não falta no Brasil, o momento conta bastante e nada impede de algum garoto que hoje tenha 15 ou 16 anos arrebente daqui a dois. Desta lista, acredito que Neymar, Gabriel Jesus e Éverton Cebolinha estarão junto com Tite sempre, o que nos faz chegar a 16 nomes para a Copa.

Gabigol, Firmino e Richarlison vão depender dos próximos anos, de atitude, desempenho, etc, e Bruno Henrique se encaixa no momento técnico atual, não no plano para o futuro. O que será de Rodrygo, Vinícius Jr e Gabriel Martinelli daqui a algum tempo?

Da lista de ontem, portanto, eu acredito que 16 nomes, no mínimo, estarão na Copa de 2022.

Para efeito de comparação, quando Tite anunciou sua primeira convocação como técnico do Brasil, no meio de 2016, a lista tinha 15 nomes que chegariam à Copa de 2018, na Rússia. Felipão, em 2013, convocou em seu retorno à seleção 12 caras que chegariam à Copa do ano seguinte. Dunga, em 2006, chamou em sua primeira lista 11 jogadores que estariam no grupo da Copa de 2010, quatro anos depois.

Julio Gomes