PUBLICIDADE
Topo

Djalminha

Tem que respeitar a história

Abel Braga conseguiu aproveitamento superior a Eduardo Coudet no Brasileiro pelo Inter - Ricardo Duarte/Inter
Abel Braga conseguiu aproveitamento superior a Eduardo Coudet no Brasileiro pelo Inter Imagem: Ricardo Duarte/Inter
Djalminha

Djalminha jogou no Flamengo, no Palmeiras e na seleção brasileira. Após deixar os campos, virou comentarista. Hoje, comenta futebol na ESPN Brasil e, agora, no UOL.

Colunista do UOL

26/01/2021 04h00

Algumas semanas atrás, escrevi aqui que gostaria que o São Paulo ganhasse algum título esse ano, para que, justamente seu comandante Fernando Diniz entrasse para esse rol de treinadores vencedores, muito em função da maneira que põe suas equipes para jogar. Por que no final o que realmente importa é o título, e não se fez um belo trabalho mas não ganhou.

Digo isso, porque agora tem o outro lado da moeda. Abel Braga quando foi anunciado como novo treinador do Internacional, para substituir o até então prestigiadíssimo Coudet, quase todos falaram que havia sido uma péssima escolha, que Abel estava ultrapassado, que não havia feito nada para merecer assumir o bom time do Internacional, talvez por suas entrevistas serem bem sinceras e não usar esse novo vocabulário do futebol brasileiro. Mas aí é que está o grande erro.

Ninguém consegue ganhar títulos expressivos, ter uma longa carreira, primeiro como jogador e depois como treinador, se não for extremamente competente e capaz. E futebol não se desaprende com o passar dos anos, você vai ganhando mais experiência.

Então vamos respeitar um pouco mais a história, porque tem muito treinador por aí sem nenhum título expressivo e muitos dizem serem excelentes, modernos, tem bons treinamentos, são ofensivos e etc... mas ganhar título que é bom, NADA. Da-lhe Abelão.