PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Grande vitória do Brasil será não sofrer com surto que pegou Venezuela

Neymar marcou o segundo do Brasil sobre a Venezuela, na abertura da Copa América, em cobrança de pênalti - Lucas Figueiredo / CBF
Neymar marcou o segundo do Brasil sobre a Venezuela, na abertura da Copa América, em cobrança de pênalti Imagem: Lucas Figueiredo / CBF
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

13/06/2021 20h03

O Brasil estreou hoje (13) na Copa América com vitória em cima da Venezuela. O jogo não foi dos mais empolgantes, com o time de Tite sofrendo um pouco com a marcação e a tentativa de não jogar bola de seu adversário e foi melhorar só no segundo tempo. Nada mais justificável com a situação que viveu a Vinotinto.

Além de serem mais fracos no aspecto técnico, o grupo perdeu vários atletas por conta do surto de um surto de covid. O time entrou no Mané Garrincha com atletas que desembarcaram em Brasília ontem. E não é força de expressão. Um avião com novos inscritos na competição chegou ontem na capital.

Na seleção, há a grande preocupação de rodar jogadores e testar atletas em diferentes posições aproveitando que a Copa América não dá vaga a nada, mas também há o receio de o surto se espalhar também entre os atletas brasileiros. Hoje, Fabinho, Vinicius Júnior e Everton Ribeiro voltaram a receber chances, além de Gabigol e Alex Sandro, que já haviam jogado recentemente.

Embora os venezuelanos que tiveram exame positivo tenham sido afastados, é comum que outros jogadores tenham o vírus detectado em dias diferentes. É plenamente possível que atletas contaminados tenham entrado em campo para enfrentar o Brasil, tiveram contato com os jogadores brasileiros e que, nos próximos dias, também possam ser cortados por causa da doença.

Basta ver que os venezuelanos testaram em seu país de origem e foram liberados para viajar. Horas depois, no desembarque no Brasil, foram avisados que estavam contaminados em novos testes feitos por aqui.

Na Bolívia, também já há notícia de atletas que também foram contaminados, assim como na Colômbia, que teve pessoas da delegação que também testaram positivo. Na Copa América que as redes sociais chamaram de Cova América, a tendência é descobrirmos dia a dia o tamanho do erro de a competição ter sido mantida.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL